Miriam Aquino

Sobre o autor Miriam Aquino

Jornalista há mais de 30 anos, é diretora da Momento Editorial e responsável pela sucursal de Brasília. Especializou-se nas áreas de telecomunicações e de Tecnologia da Informação, e tem ampla experiência no acompanhamento de políticas públicas e dos assuntos regulatórios. miriam@momentoeditorial.com.br

Shutterstock-HelenStock_icones-720x320
Regulação

Anatel defende PLC 79 e diz que mudança do modelo só ocorre se teles derem garantias financeiras

A Anatel decidiu fazer uma defesa detalhada do PLC 79 – que propõe a migração da concessão para o serviço privado e investimento em banda larga – e enviou um documento de sete páginas para a liderança do governo no Senado Federal. O documento busca responder item por item ‘as críticas ao projeto. A agência assinala que não há ” qualquer doação de R$ 100 bilhões para as empresas” e explicita que as operadoras só migrarão para o regime de autorização se oferecerem garantias reais ao Estado de que vão investir nas redes banda larga onde o poder público determinar.

Leia mais 0 Comentários
andre-borges-neotv-2016
Banda larga

Governo Temer mantém promessa de banda larga a 30 Mbps

O secretário de Telecomunicações, André Borges, alinhavou hoje, 14, as quatro principais metas do programa de banda larga do governo Temer, que será tocado com os recursos das operadoras privadas, a partir dos recursos que serão liberados com a aprovação do PLC 79 e dos TACs (termos de ajuste de conduta). “Backhaul de alta capacidade, 3G além da sede, 4G em todas as cidades, e banda larga de 30 Mbps nos domicílios”, afirmou Borges.

Leia mais 1 Comentário
shutterstock_ Ensuper_frequencia
Regulação

Serviços de Utilidade Pública ficarão com sistemas analógicos até o ano de 2042

A Anatel tomou uma decisão, hoje, 9, que aparentemente pode ir na contramão da modernização do setor de telecomunicações, mas que está adequada à realidade brasileira. A agência decidiu voltar atrás em uma determinação de digitalizar a faixa do espectro 148 a 174 MHz, ocupada, em sua maioria por serviços de utilidade pública e de utilities. A partir dessa decisão, os serviços de utilidade pública, como o SAMU, poderão manter os seus sistemas analógicos até 2042.

Leia mais 0 Comentários