Miriam Aquino

Sobre o autor Miriam Aquino

Jornalista há mais de 25 anos, é diretora da Momento Editorial e responsável pela sucursal de Brasília. Especializou-se nas áreas de telecomunicações e de Tecnologia da Informação, e tem ampla experiência no acompanhamento de políticas públicas e dos assuntos regulatórios.

shutterstock_ Ganzaless_cidadedigital_icone
Destaque

Faixa de 700 Mhz terá 4G em centenas de cidades do Norte e Nordeste em 2015, prevê Anatel

Em um grande número de cidades, não é preciso fazer o desligamento dos canais de TV analógica, apenas o remanejamento dos radiodifusores que estão na faixa de 700 para frequências mais baixas, o que antecipa o ingresso da banda larga 4G nesses municípios. ”É do interesse de todos que esta antecipação possa acontecer, para liberar o espectro, para que esta infraestrutura possa ser instalada”, afirma Rodrigo Zerbone

Leia mais 0 Comentários
shutterstock_Ase_frequencia_geral_abstrata_politica
Leilão

Anatel não muda, teles vão à justiça, mas governo vai receber este ano R$ 4,9 bi da faixa de 700 MHz

Fontes de três operadoras de celular confirmaram hoje ao Tele.Síntese que vão procurar a justiça contra o valor maior que receberam da Anatel pelo que deveriam pagar pela faixa de 700 MHz, cuja assinatura do contrato foi marcada pela agência para o próximo dia 5 de dezembro. E, ao contrário do que informa hoje o jornal Folha de S. Paulo, o governo vai arrecadar este ano o principal de R$ 4,9 bilhões do leilão, porque as operadoras não têm a intenção de não pagar o que ofereceram na disputa, só questionam o valor a mais de R$ 186 milhões que a agência está cobrando.

Leia mais 0 Comentários
shutterstock_Natali Glado_abstrata_radiodifusao_geral_frequencia
Leilão

Anatel e operadoras assinam contrato da faixa de 700 MHz no dia 5 de dezembro

Com esta assinatura, entra no caixa do governo cerca de R$ 4,9 bilhões das quatro empresas de celular – Algar Telecom, Claro, TIM e Vivo – que participaram do leilão promovido pela Anatel em setembro. Mas poderá ainda haver uma arrecadação extra se as empresas optarem por usar a faixa de 1,8 GHz. Esta opção deverá ser comunicada à Anatel até o dia 1º de dezembro, informou o superintendente de Regulação, Alexandre Bicalho.

Leia mais 0 Comentários
orelhao_06
Telefonia fixa

Orelhões fazem em média 4 chamadas por dia e receitas caem 90% nos últimos anos

Os orelhões brasileiros estão definhando. E a proposta da Anatel é diminuir o seu número – para transferir esses recursos para outras metas de universalização- na próxima revisão dos contratos de concessão, que se inicia em 2016. Em audiência pública realizada hoje, a redução da planta dos TUPs (Telefones de Uso Público) proposta pela Anatel foi um dos temas mais debatidos. Será feita uma redução de 60,4% da planta de orelhões brasileiros, com a redistribuição do aparelhos.

Leia mais 0 Comentários
amanhecer congresso nacional
Destaque da editora

Relator aumenta receita da União para 2015, com ajuda de telecom

No caso das telecomunicações, Paim acrescentou mais R$ 2,48 bilhões nas receitas com as concessões e permissões (que ficam na rubrica do Fistel, Fundo de Fiscalização das Telecomunicações), principalmente devido ao leilão da 4G, realizado em setembro deste ano pela Anatel. O deputado considerou que nem todo o dinheiro arrecadado no leilão de 700 MHz (R$ 5,85 bilhões) seria pago este ano.

Leia mais 0 Comentários
shutterstock_Sergey Nivens_START_UP_NEGOCIOS_MERCADO_GERAL
Destaque da editora

Claro e Oi podem ficar sem poder de mercado no celular

Com base em novos critérios adotados pela área técnica da Anatel, somente Vivo e TIM teriam posição dominante em todo o Brasil no mercado de terminação de chamada móvel. Claro deixaria de ser PMS nos estados do Nordeste, Rio de Janeiro, Minas Gerais, entre outros (a região da Telemar) e a Oi não seria mais PMS em São Paulo e nos estados do Sul, Centro-Oeste e Norte.

Leia mais 1 Comentário
Bayard Gontijo, CEO da Oi
Operadoras

Dinheiro da venda da PT irá integralmente para a consolidação no Brasil, diz Bayard

O CEO da Oi, Bayard Gontijo, afirmou que os controladores estão analisando apenas as duas propostas – da Altice e dos fundos Apax e Bain – e que a oferta da angolana Isabel do Santos já foi descartada e os sócios portugueses são obrigados, por contrato, a votar em linha com os sócios nacionais. “Em nenhuma hipótese tomaremos empréstimo do mercado para participar da consolidação”, assegurou o executivo.

Leia mais 0 Comentários