{mosimage}O WiMAX permite diversos serviços que somente uma combinação de diversas outras tecnologias permitiriam. Não há limites para novas aplicações com uma tecnologia flexível, eficaz quanto a custo, baseada em padrão aberto e totalmente interoperável.

{mosimage}
O governo precisa assegurar que todos os prédios públicos e todas as prefeituras estejam conectados. Por Rogério Santanna

Foto: divulgação

{mosimage}
A quase totalidade do aumento da base de usuários celulares, nos próximos anos, deve vir de mercados emergentes. Um desafio para a indústria e as operadoras, que precisam equilibrar receita e custos. Yolande Pineda, diretora da Nokia, aponta alternativas.

{mosimage}O nome adequado para o equipamento é “congestionador”, jammer em inglês, porque o que faz é congestionar localmente a faixa utilizada pelos celulares, ou outros equipamentos de comunicação sem fio. E custam entre R$ 400,00 e R$ 10 mil.

{mosimage}A medida é absurda e inútil. Embora pareça óbvio para as pessoas de bom-senso, o grande vilão é a situação do sistema penitenciário e a falta de prioridade das questões de segurança pública no Brasil. Falta quase tudo nos presídios.

Foto: divulgação


{mosimage}

A falsa premissa de que os fins justificam os meios vem atravancando o desenvolvimento de nosso país. A sociedade não pode aceitar a contínua geração de postos de trabalho informal, é preciso criar trabalhos aliados ao progresso social, dentro da lei. Por Jair Jaloreto Junior.

{mosimage} O Ministério das Comunicações está dizendo que não vai mais outorgar canais de rádios e TV educativas para fundações que não sejam ligadas a universidades, para evitar a participação de políticos. Entretanto, ao contrário do discurso oficial, está liberando várias concessões para fundações personalistas ligadas a políticos.

{mosimage}
A transmissão digital não codificada permite a fácil redistribuição do conteúdo televisivo na internet e seu acesso por uma quantidade enorme de pessoas no mundo, aliado aos avanços do poder de processamento e à agilidade da banda larga, torna qualquer pessoa uma verdadeira emissora. Por Steve Solot
Foto: Divulgação

{mosimage}Roaming digital, cobertura nacional, menos clonagem. Eis por que Celedonio von Wuthenau, presidente do CDG para a América Latina, defende a liberação de banda adicional em 1.9 GHz para a operadora CDMA.

Foto: Divulgação

{mosimage}Se chips não existissem, não teríamos televisores, nem aparelhos de som, ou diagnósticos médicos como tomografia computadorizada. Não haveria internet, nem telefonia celular ou fixa. Eis por que Wanderley Marzano, diretor da Abinee, considera que o Brasil precisa, sim, ter uma planta de semicondutores.