Foto: Divulgação

{mosimage}A TV digital é uma janela de oportunidade para o país decidir como vai se inserir, de forma autônoma, na Sociedade da Informação.

{mosimage}Para Rodrigo Dienstmann, vice-presidente da GVT, a redução dos preços de serviços e equipamentos, o crescimento da base de clientes e dos prestadores alternativos provocará a substituição da telefonia convencional pela VoIP já este ano.

{mosimage}A baixa penetração da banda larga nos lares brasileiros (6,7%) limita o uso desta facilidade, diz  Juarez Quadros, sócio da Orion Consultoria. O Brasil precisa encontrar soluções para o rico mercado de pobres que tem 34% dos domicílios sem telefone ou 87% das residências sem acesso à internet.

{mosimage}Para as operadoras brasileiras, é necessário adotar a flexibilidade como palavra de ordem. Os desafios são muitos, e incluem principalmente meios para adaptar o desempenho das redes às demandas dos usuários.

{mosimage}Presidente da Teclan propõe mudança gradual para VoIP pois, apesar de redução de gastos, a tecnologia envolve uma nova arquitetura e altos gastos implemetares, especialmente para pequenas empresas

{mosimage}Especialista da Frost&Sullivan compara o desafio da banda larga a outras tecnologias no setor de telecomunicações. Para dar certo, a conexão rápida de internet precisa de custo compatível, disponibilidade do serviço e valor agregado líquido

{mosimage}A adoção do laptop de US$ 100, projeto criado pelo professor Nicholas Negroponte, afronta as políticas setoriais do país e a própria Constituição. Além disso, o projeto tem graves problemas técnicos e provocará efeitos nocivos.

{mosimage}O programa vai permitir uma revolução na educação e o acesso de nossas crianças ao conhecimento compartilhado. Vai estimular a indústria local, a produção do conhecimento e permitir ao país participar de um projeto global.

{mosimage}Para a advogada do Pro-Teste, os novos contratos do Serviço Telefônico Comutado Fixo (STFC) não foram suficientemente discutidos pela sociedade. A associação de defesa do consumidor entende que estes contratos não deveriam ser renovados no início de 2006, pois ainda reproduzem distorções dos tempos pós-privatização.

{mosimage}Hoje, no mundo, existem mais de 200 milhões de usuários de banda larga, em todas as suas formas, e o ritmo de crescimento dessa base não dá mostras de arrefecimento. As projeções apontam para cerca de 700 milhões, em 2008.