Não permitir a entrada de novos players em um mercado que já está em franco processo de concentração pode implicar perda de oportunidades para o país

Em um ano, 11% das cidades que antes tinham apenas uma prestadora de telefonia móvel passaram a contar com ofertas de quatro empresas.

A expansão do 4G ainda é o foco principal das operadoras móveis na América Latina. Mas o 5G não está fora do horizonte.

“A regularização das áreas de ocupação é uma questão crítica no debate sobre o compartilhamento”, escreve sócio do escritório Vinhas Redenschi

O sentido maior da regulação responsiva é incentivar os regulados a cumprirem as regras e ao mesmo tempo motivá-los a continuarem agindo da maneira correta. É um jogo no formato ganha-ganha

O executivo da operadora, Carlos Eduardo Siqueira, disse que o acordo de telemarketing entre as operadoras está quase pronto para ser assinado.

Atualmente, alerta Adriana Costa, diretora de Assuntos Regulatórios da operadora, a empresa que coopera com o regulador, buscando resolver o problema acaba recebendo a mesma punição do que outra que não agiu da mesma forma.

O auditor Federal da Controladoria Geral da União, Fernando Cardoso, (CGU), afirmou que o atual sistema de comando e controle adotado pela maioria das agências reguladoras acaba fazendo com que as decisões demorem muito tempo. Na Anatel, afirmou, um Pado leva em média 531 dias para ser concluído.

O atraso do país na legislação setorial é de mais de três anos, aponta César Mattos, secretário de Advocacia da Concorrência e Competitividade do Ministério da Economia. Para ele, “a aprovação do PLC 79 melhora muito as condições para darmos passos mais fundamentais como os que nos levarão ao leilão do 5G”