Grandes operadoras terão de baratear uso de dutos em 4.800 municípios

Leia Mais

Pontes quer fim do contingenciamento do FNDCT

Leia Mais

Pontes avisa que não pode liberar recursos do Fust em troca do PLC 79

Leia Mais

O presidente da Anatel, Leonardo de Morais, colocou-se à disposição do Senado Federal para defender o projeto.

Vivo foi considerada a operadora com o melhor atendimento especializado em lojas, enquanto a Oi mereceu destaque por ter os melhores mecanismos de interação em canais remotos de atendimento.

Para o procurador da Justiça Leonardo Bessa, o direito à privacidade é fundamental, mas não absoluto. Bruna Santos, da Coalização Direitos na Rede, diz que a tecnologia ainda apresenta alta taxas de “falsos positivos”.

O projeto poderá ser enviado para a apreciaçăo do Senado, sem precisar passar pelo plenário da Câmara.

Para o líder oposicionista na Câmara, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), a medida do governo Bolsonaro “é um tiro fatal na participação popular”; pelo menos seis colegiados ameaçados na área de Ciência e Tecnologia contam com representantes da sociedade, das empresas e da academia.

O governo corre contra o tempo para aprovar a matéria agora no Senado. Está previsto para o dia 2 de maio o fim da validade da MP.

O secretário de Gestão, Cristiano Heckert, diz que serviço online dispensa recadastramento anual de 376 mil empresas que vendem ao governo.

Segundo Vitor Menezes (MCTIC), governo quer definir prioridades do país para uso da tecnologia de quinta geração. Pasta também busca arranjo institucional para resolver entraves à instalação de antenas nas cidades e direito de passagem nas rodovias.

O secretário-executivo do MCTIC, Julio Semeghini, anunciou que haverá parceria com a iniciativa privada para o melhor aproveitamento dos cabos da rede de telecomunicações; isso servirá para IoT, indústria 4.0, agronegócio e áreas desconectadas no Norte e Nordeste.