Guerra comercial fortalece a Huawei no Brasil, afirma executivo da empresa

Leia Mais

Grandes operadoras terão de baratear uso de dutos em 4.800 municípios

Leia Mais

Pontes quer fim do contingenciamento do FNDCT

Leia Mais

Como ocorreu para a aprovação do PLC 79, a oposição deve ficar com um projeto complementar para atender pontos não contemplados na nova proposta da TV Paga

Fundo fotografia desenhado por Creativeart - Freepik.com

Valor será liberado ao longo de três anos, segundo Vitor Menezes, secretário de telecomunicações da Pasta, para ligar Macapá (AP) a Tabatinga (AM) e conectar 42 cidades do NE.

Vitor Menezes, secretário de telecomunicações do MCTIC, diz que decreto não inviabiliza aprovação de lei pelo Congresso que preveja a destinação dos recursos provenientes da mudança de modelo de telecom no país. E afirma que objetivo do MCTIC é evitar sobreposição de investimentos das teles com os de ISPs regionais.

A medida faz parte da política tarifária adotada pelo Ministério da Economia para simplificar processos para a compra de bens sem similares produzidos no Brasil

Responsável pela multinacional na América Latina, Foad Shaikhzadeh defende que a nova Lei de Informática a ser enviada pelo governo ao Congresso deve manter os incentivos fiscais até 2029, pelo menos.

Foad Shaikhzadeh, líder da multinacional na América Latina, comenta que haverá “nichos de mercado” tanto para as grandes operadoras de telecomunicações quanto para pequenos provedores regionais, como ocorre na Espanha.

Abrint e Abramulti defendem participação dos ISPs na definição das áreas que receberão investimentos das concessionárias que pretender migrar para o regime privado de prestação de serviço.

Presidente da Furukawa na América Latina diz que quase todas operadoras têm planos de expansão

Canais da Furukawa passam a ter soluções financeiras para facilitar aquisição por parte dos ISPs dos produtos da fabricante japonesa.

A relatora da matéria, Daniella Ribeiro (PP/PB), retirou subemenda que modificaria três artigos da LGT para evitar retorno do texto à Câmara. Oposição pretende apresentar voto em separado para garantir obrigações de universalização