AT&T não tem interesse na Oi, ela quer disputar o mercado audiovisual brasileiro


A pressão para a aprovação do PLC 79, que estava quase esquecido pelos aliados do governo no Senado Federal, se terá o aplauso imediato do maior investidor europeu no país, a Telefônica, e da própria Oi, deverá ser indiferente para a AT&T. Diferentes interlocutores afirmaram que a operadora, dona da Sky, quer ingressar com força no mercado audiovisual brasileiro e fugir do ônus da infraestrutura.

*com Rafael Bucco e Abnor Gondim

Mais um canto da sereia? Ou interesse concreto da maior operadora do mundo em ampliar suas operações no Brasil? As notícias nos jornais estampando o presidente da AT&T, Randall Stephenson, ao  lado de um sorridente Jair Bolsonaro apontam para a segunda opção. Mas ainda é muito cedo para acreditar nela.

O certo mesmo é que a pressão pela aprovação do PLC 79 será aplaudida por três concessionários brasileiros: a Telefônica, a Oi e a Algar Telecom e uma operadora de celular, a TIM. A Claro, embora tenha a Embratel como concessionária, aponta que o projeto não lhe atende ao ritmo atual de tramitação e a TIM quer a liberação das frequências.

Embora a teoria da fusão ideológica entre os governos de extrema direita do Brasil e dos Estados Unidos  faça sentido para um interesse da AT&T pela Oi, o que impediria o avanço das “forças chinesas” sobre a Oi, fontes de diferentes matizes năo concordam com essa visão.

A AT&T não parece nem um pouco interessada em adquirir infraestrutura em território brasileiro. Vale lembrar que a Oi é forte compradora da Huawei, que o Trump quer banir do planeta. E o Banco Central da China um de seus grandes credores.

Diferentes analistas do setor lembraram ao portal que a AT&T nunca se interessou seriamente pelo Brasil. Já prometeu vir para cá muitas vezes, mas, ao se deparar com nossas regras setoriais (concessão, licitação de frequência, controle de preço e de ofertas para o consumidor) desistia, por entender que eram pesadas demais.

A AT&T só está no Brasil porque ganhou a Sky no pacote de compra da operadora de TV paga via satélite, Direct TV.

Com a celeuma sobre a Lei do SeAC, que impede que operadora de telecomunicações seja dona ou invista em programas de TV ou de cinema, a pressão sobre  a Anatel  foi aumentando à medida em que a família Bolsonaro foi se aproximando da família Trump.

O Brasil é o único país do mundo que ainda não julgou a operação – de US$ 85 bilhões – e que foi aprovada pelas agências norte-americanas em junho de 2018, após quase três  anos analisando o caso.  

O relator da matéria na Anatel, conselheiro Vicente Aquino  defendeu a posição  de que essa operação deveria também ser aprovada pela agência brasileira, porque a sede dos estúdios Warner fica nos Estados Unidos, e, portanto, não poderia ser abarcada pela proibição da lei brasileira.

Diferentes dirigentes da Anatel foram  recebidos pelo embaixador dos Estados Unidos no Brasil, P. Michael McKinley. No cardápio, só SeAC, nada de PLC 79, que é crucial para a Oi se tornar mais interessante para algum investidor. 

O conselho diretor da Anatel acabou não tomando decisão sobre a polêmica porque o conselheiro  Moises Moreira pediu vistas do processo. Segundo fontes da agência, Moreira estuda o parecer de Aquino, e já teria elencado inúmeras questões para a sua equipe estudar, o que significa que não irá apresentar  o seu voto na próxima reunião do conselho, marcada para o início de setembro. Moreira, por sinal, também foi abordado por porta-vozes estadunidenses e chegou a visitar a sede da AT&T, em Dallas, nos Estados Unidos. Mas não se acanhou em paralisar o processo.

Diferentes interlocutores, do governo e fora dele, afirmam que a AT&T não quer comprar a Oi ou qualquer infraestrutura no Brasil. Quer é entrar no mundo do imaginário, do charmoso, do leve, do esplendoroso. No mundo dos radiodifusores nacionais. No mundo do conteúdo audiovisual. No mundo da TV Globo.

E a razão para isso é econômica,  não tem nada a ver com o ideologia. Ela é a maior operadora privada do planeta, e presta contas somente a seus acionistas.

No México, lembram  interlocutores,  a AT&T precisou de pouco mais de três anos para começar a ter o retorno de seu capital. No Brasil, essa conta supera os sete anos. Números de arrepiar qualquer empresa norte-americana.

Além disso, argumentam outros analistas, ela está muito “alavancada”, ou, muito endividada. E o Brasil teria muito pouca sinergia para a empresa justificar outro movimento de aquisição, depois de US$ 85 bilhões oferecidos pelos estúdios Warner.

PLC 79

O presidente da AT&T, Randall Stephenson, veio ao Brasil para avisar que compraria a Oi? Raramente um comprador diz ao respeitável público que vai comprar um ativo, sob o risco de encarecê-lo, o que está exatamente acontecendo com as ações da Oi.

O mais provável é que  fontes do próprio governo divulgaram essa versão. Afinal, a situação econômica da  Oi continua a tirar o sono de muitos. E, como havia mesmo muita resistência dentro da própria base de apoio do governo para fazer tramitar o PLC 79, nada como encontrar uma boa razão para acabar com as resistências: investimentos novos, de empresas do “país-amigo”.

Há também uma outra razão para o PLC79 receber agora a atenção do governo. E essa razão chama-se o filho que quer ser embaixador. Comenta-se que o senador Ciro Nogueira, do Progressitas do Piauí, é a peça-chave para a aprovação dessa indicação e que todos os projetos de seu interesse estariam caminhando, inclusive o PLC 79.

E com a palavra, um acionista controlador da Oi:

“para todos os cenários de desenvolvimento da Oi, o fator mais relevante é a aprovação do PLC 79. Muito se fala sobre a sua venda. O que não existe são propostas a serem analisadas”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anterior Avança projeto sobre uso do Fistel para bloquear sinal de celulares em presídios
Próximos Ministério da Economia publica revisão da Portaria 309, sobre ex-tarifários

7 Comments

  1. Erick Nilson
    31 de agosto de 2019
    Responder

    PLC 79 é urgente para o mercado (nao só pra OI).
    Mas esse congresso nosso demora anos para aprovar uma matéria…

  2. 31 de agosto de 2019
    Responder

    Artigo sucinto e realista !

    A decadência da OI começou na administração do banqueiro Dantas.

    Trata-se de uma empresa viável, mas continua sendo administrada por pessoas sem qualificação técnica/financeira para o ramo de Telecom.

    O rapidez que o mercado de voz fixo e móvel migrou para Dados/IP, e o exponencial aumento da velocidade de dados, que a tecnologia ADSL não pode atender, pegou de surpresa as concessionárias de voz STFC, cuja maior receita atualmente é dados.

    A crescente desconexão dos assinantes de internet via ADSL2+ é irreversível, sendo Telefone Fixo e dados via ADSL uma das principais receitas da concessionária Fixa (OI), na região Norte e Nordeste do Brasil.

    Pra agravar a situação, celulares 4G com a melhora na qualidade do sinal e aumento da velocidade, e em breve a 5G Celular (71% da receita atual é via celular, dados do Sinditelebrasil), com certeza porá fim aos assinantes de ADSL, e diminuirá o ritmo de crescimento das instalação via fibra FTTH (tecnologia de difícil instalação), e esperança das concessionárias FIxa.

    Sugestão para solucionar o problema da OI:

    – Com urgência separar as unidades Operadora Móvel e Prestadora Fixa…….., antes que seja tarde demais para as duas concessões.

  3. Zaid
    1 de setembro de 2019
    Responder

    Kkkk….nesta hora ninguém assume nada….oi será concerteza a maior rede infra estrutura do país. .. está com altas dividas devidos ao alto investimento. Fibra ótica no país inteiro…com a faca e o queijo na mão. ..quem não estaria afim dela?

  4. Gustavo Gindre
    2 de setembro de 2019
    Responder

    Era óbvio que o interesse da AT&T na Oi não passava de fake news desse governo. O que a Oi tem que pode interessar a alguém é a infraestrutura em São Paulo, o que restou de torres, os data centers e a operação de celular (mesmo aqui há um problema com o uso da infraestrutura física que serve à operação móvel).
    Mas ninguém vai querer comprar o resto da Oi. Isso já era um problema quando do escandaloso processo de privatização e só se agravou com a mudança casuística do PGO. Quem vai querer comprar uma infraestrutura cheia de obrigações em mercados não lucrativos e que ainda precisa enfrentar concorrentes que podem se dar ao luxo de só disputar o filé mignon?
    A Oi é um pepino que cedo ou tarde será jogado no colo do Estado depois de muita gente ter se dado bem.

    • 6 de setembro de 2019
      Responder

      Eu trabalho lá. Você quer a verdade ou quer especular. Se quiser especular, então fica com a matéria realista aí, mas se quiser a verdade… AT&T compra Oi, Governo muda a Lei para tornar isso verdade. Macaco gosta de banana? Político gosta de dinheiro e dinheiro é o que NÃO falta na AT&T…

  5. Eduardo
    2 de setembro de 2019
    Responder

    Fake news do governo? Para de ser bucha…
    Os jornais americanos já noticiaram o interesse da AT&T

  6. 6 de setembro de 2019
    Responder

    QUE VENHA AT&T !!!!!!

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *