Ativada rota digital acadêmica que liga EUA, Brasil e África do Sul


A operadora de cabos submarinos Angola Cables, a Universidade Internacional da Flórida (FIU) dos EUA, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) do Brasil e a Rede Terciária de Educação e Pesquisa da África do Sul (TENET/SANReN) ativaram neste mês uma rota digital entre as Américas e a África.

A rota interconecta redes científicas de Estados Unidos, Brasil e África do Sul. Com capacidade inicial de 100Gbps, usa os cabos submarinos Monet, SACS e WACS, todos da Angola Cables. Estas iniciativas fazem parte do projeto da Américas África Research and eduCation Lightpaths (AARCLight).

PUBLICIDADE

A Angola Cables, o centro de excelência em pesquisa desenvolvido pela Universidade Internacional da Florida (Ampath) e a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa do Brasil, já estavam conectadas, inicialmente a 200Gbps, por meio do cabo Monet.

Agora, com o projeto Amlight-SACS, a nova rota de 100Gbps será estendida desde Fortaleza, no Brasil (cidade onde atraca o cabo SACS e se situa o Data Center AngoNAP da operadora), até ao ponto de troca aberto (ZAOX) na Cidade do Cabo, na África do Sul. A conexão trará benefícios com relação à redundância e à resiliência da conectividade entre a rede de entidades de pesquisa e educação, fornecendo uma rota transatlântica direta e exclusiva entre a comunidade científica de ambos continentes. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Instituto Claro e Central Única das Favelas juntos na luta contra o vírus
Próximos Startup de monitoramento legislativo recebe aporte de R$1,3 milhão