iot2

A Associação Brasileira de Internet das Coisas (Abinc) entrou para a LoRa Alliance, entidade internacional que trabalha no desenvolvimento de um padrão global para a IoT. O movimento é uma resposta à regulamentação de tecnologias de radiação restrita no Brasil pela Anatel. O novo regulamento passará a valer a partir de abril.

A Abinc também espera dar voz aos anseios de empresas brasileiras na padronização do LoRa. “Essa padronização vai permitir a interconectividade entre os dispositivos de IoT, estimular a produção e desenvolvimento de tecnologia nacional e ajudar na popularização do uso das tecnologias por todos os setores da economia e para o usuário final com custos mais acessíveis”, avalia o diretor de Tecnologia da Abinc, Luis Viola.

A LoRa Alliance promove um padrão aberto para redes baseadas em LoRa denominadas LoRaWAN. O padrão foi desenvolvido pela Semtech e os proprietários da tecnologia do chip são a IBM Research e a Actility. Fazem parte da LoRa a Cisco, KPN, Orange, ZTE entre outros.

Em uma solução de IoT, a conexão direta de “coisas” (sem utilizar um gateway) para distâncias superiores a 300 metros (Wide Area) é feita em grande parte utilizando-se as redes celulares nas suas diversas tecnologias (GPRS/EDGE, 3G e 4G). Estas redes foram projetadas para comunicação entre pessoas e apresentam um custo de conexão e consumo de bateria que limitam a viabilidade de sua utilização na conexão de “coisas”. As redes Low Power Wide Area (LPWA) surgiram para conectar milhões de “coisas”, com redes de melhor cobertura, menor custo de conexão e menor consumo de bateria, ampliando desta forma o leque de soluções de IoT. (Com assessoria de imprensa)