Assespro aponta que Lei de Dados Pessoais vai proteger eleições


O destaque aprovado ontem, 19, pelo Congresso Nacional, sobre a entrada em vigência da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) está afinado com o posicionamento  manifestado pela Federação Assespro, entidade que reúne cerca de 2.500 empresas de Tecnologia da Informação (TI) em todo o País.
“Nosso posicionamento foi atendido integralmente. Acho que após grande mobilização da Assespro, já tínhamos um bom meio termo na aprovação da lei para  janeiro e penalidades em agosto 2021. Acredito, inclusive, que temos o melhor dos cenários. Cabe ao governo federal finalizar a montagem da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) e de seu conselho, inclusive priorizando a competência técnica, com nomes que realmente conheçam do tema e que possam ajudar o Brasil”, afirma Italo Nogueira, presidente da Assespro Nacional.
“A Lei Geral de Proteção de Dados e todas as suas regras serão cruciais para as próximas eleições, evitando que as campanhas e muitas coisas que estamos enxergando no Brasil possam continuar sem o devido acompanhamento e punições na terra sem lei das redes sociais”, alerta Italo.
PUBLICIDADE
Anterior Legislativo quer bancar LGPD este ano, mesmo se Bolsonaro tentar vetar
Próximos GSMA, que reúne as teles, critica reserva de 5G para indústria