Apps do Android vão custar até US$ 40 na UE


O Google vai cobrar dos fabricantes de smartphones até US $ 40 por dispositivo pelo uso dos aplicativos sob um novo sistema de licenciamento para substituir o que a União Europeia considerou anti-competitivo este ano, de acordo com os cálculos de uma fonte próxima à empresa mencionada pela agência Reuters. A nova taxa entrará em vigor no dia 29 de outubro para qualquer novo modelo de smartphone ou tablet lançado no Espaço Econômico Europeu com o sistema operacional Android, do Google, anunciou a empresa na terça-feira, 16.

A taxa começa em US$ 2,50 e sobe dependendo do país e do tamanho do dispositivo, disse a fonte. A média seria de US$ 20. Na negociação, os fabricantes poderiam compensar a cobrança pelo conjunto de aplicativos com a agregação da pesquisa do Google e do navegador Internet Chrome e o pagamento, pelo Google, de parte da receita de anúncios gerada por meio da pesquisa e do Google Chrome.

A nova política de licenciamento do Android na Europa anunciada pelo Google esta semana foi resultado da decisão da Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia, de multar a empresa em 4,34 billhões de euros. Em julho, seus integrantes decidiram que o Google abusou de seu poder dominante em 2011 com seu popular sistema operacional para celulares.

Entre as práticas abusivas impostas pelo Google, mencionadas pelas autoridades antitruste, estaria a obrigação de os fabricantes de smartphones pré-instalarem a Pesquisa do Google, seu navegador Google Chrome e a loja de aplicativos do Google Play junto com o sistema operacional Android. Havia alegações de que o Google também teria impedido que fabricantes usassem sistemas Android de outros desenvolvedores.

Embora o Google já tenha entrado em recurso, no dia 9 deste mês, junto ao Tribunal Geral da União Europeia, a empresa decidiu mudar a política de licenciamento do Android na Europa para atender às orientações dos reguladores até que seu recurso seja julgado. Anunciou que a partir do dia 29 passa a cobrar pelos aplicativos que rodam no sistema operacional Android, mas em contrapartida vai permitir que os fabricantes possam usar versões de concorrentes de seu sistema operacional. (Com noticiário internacional)

Anterior Idec pede investigação sobre uso de dados em campanha eleitoral pelo WhatsApp
Próximos MCTIC vai licitar terceira fase do Programa Cidades Inteligentes