Após um ano de negociações com Telefônica, Prodesp conclui licitação da intragov


Praticamente um ano depois de lançar o edital para contratar a empresa que irá operar sua intragov (rede IP multisserviços) no período de 2011 a 2015, a Prodesp (Empresa de Processamento de Dados do Estado de São Paulo) fechou acordo com a Telefônica para aprestação dos serviços de voz, dados e vídeo. O grande problema na demora foi a falta de concorrência, segundo dirigentes da Prodesp, que é a unidade gestora de TI e telecom do governo do estado de São Paulo. “Tivemos um pregão presencial com um único participante, o que nos levou a uma negociação mais longa”, explica Mário Bandeira, diretor-presidente da Prodesp.

O edital para a contratação do serviços foi lançado em agosto do ano passado e o pregão, na modalidade menor preço, marcado para o dia 14 de outubro e, mais tarde, prorrogado para o dia 5 de novembro de 2009. No início, a Embratel manifestou interesse e chegou a dar um lance de R$ 14 milhões/mês para a prestação dos serviços, contra um lance inicial de R$ 9 milhões/mês dado pela Telefônica, que já opera a rede intragov, num contrato mensal de R$ 4,273 milhões. Além dos gastos atuais com a Telefônica, a Prodesp tem um contrato com a Embratel, que fornece um link de redundância para ter uma opção de saída em caso de falhas no serviço da Telefônica, pelo qual paga R$ 248,9 mil mensais.

O novo contrato contempla toda a parte de contingência e traz algumas mudanças em relação ao atual, a mais relevante na forma de cobrança de alguns links. Douglas Viudez, diretor de Produção e Serviços da Prodesp, explica que a empresa atende a clientes que exigem mais banda, as chamadas Unidades Provedoras (UPs), caso da própria Prodesp, da Secretaria da Fazenda e de universidades, entre outras; e que a maior parte dos clientes demanda menor velocidade na transmissão de dados. “Temos 24 UPs e 14.500 Unidades Clientes e mudamos o modelo de contrato com a operadora para estes links”, conta Viudez. Segundo ele, alguns terão redundância obrigatória, outros não.

Além disso, a velocidade de transmissão, que é em média de 512 Kbps, passa para 1MB, na média (para a maior parte dos 14 mil links em operação); e de 1 GB para 2,5 GB para as unidades provedoras. O novo contrato prevê a ampliação para 17 mil links, em 2011, e 20 mil links, em 2013. Pelo novo contrato, que começa a vigorar em abril de 2011, a Telefônica poderá receber até R$ 5,539 milhões mensais. “Ao final da longa negociação, aplicamos o reajuste pelo IPC, projetado em 4,3%, e houve um acréscimo de R$ 800 mil referente a ampliação de porta internet tanto para acesso quanto para trânsito”, informa Bandeira.

Outra inovação no contrato com a Telefônica foi levar a gestão da rede para dentro do data center da Prodesp. “Teremos uma equipe da Telefônica no nosso data center, gerenciando a qualidade da rede e prevenindo problemas”, diz Viudez. Bandeira completa dizendo que embora existam multas por falhas na rede, e que quando há falhas no serviço, elas são aplicadas, o ideal é que o serviço tenha qualidade.

Anterior Nelson Armbrust assume Atento no Brasil
Próximos Portabilidade numérica completa dois anos dia 1º