Após reestruturação, Mob Telecom avança rumo à região Norte


mobO processo de reestruturação da Mob Telecom – que começou em 2014, com holding Mob Inteligência, e incluiu a instalação, em 2016, do Centro de Serviços Compartilhados – culminou, no final do ano passado, com a criação do Conselho Administrativo. Composto por integrantes da família Bayde e por executivos do mercado de telecom, o conselho já atua a todo vapor, apoiando os planos de crescimento da empresa – que cobre todo o Nordeste e ruma para a região Norte. “O Conselho traz visões diferentes de outras regiões e do mercado de telecom, nos ajudando a montar as estratégias”, diz Vanderson Santana, diretor comercial.

Mantendo os planos de crescimento de seu backbone em fibra óptica, com redes de acesso GPON, a Mob contabiliza cerca de 40 mil clientes, dos quais 35 mil residenciais com atendimento de banda larga, e o restante dividido entre venda em atacado e segmento corporativo – onde a empresa tem clientes de grande porte, como Caixa Econômica Federal e Pag Menos, entre outros. “Nosso foco, agora, são as cidades entre 100 mil e 200 mil habitantes”, revela Santana. Ele conta que, para este ano, será conectada uma cidade a mais por mês. Para 2018, a Mob estima acelerar a velocidade e conectar de duas a três cidades por mês.

A Mob Telecom também é a principal distribuidora de conteúdo no Nordeste. Diante do crescimento do consumo de vídeos pelos usuários, a operadora investiu, em 2011, em um data center que, entre muitos serviços corporativos, oferece também o de colocation para provedores de CDN (Content Delivery Network), para entrega local de conteúdo.

Anterior Apenas 5% dos fundos de telecomunicações são usados para sua finalidade
Próximos Google se entende com governo da Rússia

2 Comments

  1. Sayde Diogenes
    17 de Abril de 2017

    Empresa além de reforçar duas estruturas operacional, também investe na gestão.

  2. Marcio Duarte
    20 de Abril de 2017

    Duvido muito que algum banco público tenha financiamento expressivo no avanço desta rede, que sim, é uma das poucas responsáveis pela inclusão digital na região norte, mas infelizmente nosso governo só tem olhos para a Oi.