Apesar da falência na Alemanha, a BenQ brasileira continua a todo vapor.


O pedido de falência da divisão alemã da BenQ não trará qualquer impacto para a fábrica brasileira, assegura Denise Soares, diretora-geral da fabricante de aparelhos celulares no Brasil. A fábrica brasileira, assim como as demais unidades fabris espalhadas pelo mundo, foi comprada da Siemens no ano passado pela empresa de Taiwan. Segundo a diretora, a …

O pedido de falência da divisão alemã da BenQ não trará qualquer impacto para a fábrica brasileira, assegura Denise Soares, diretora-geral da fabricante de aparelhos celulares no Brasil. A fábrica brasileira, assim como as demais unidades fabris espalhadas pelo mundo, foi comprada da Siemens no ano passado pela empresa de Taiwan.

Segundo a diretora, a produção da fábrica de Manaus já retomou suas atividades normais, depois das férias coletivas encerradas esta semana. E a empresa pretende lançar, este ano, 14 novos modelos de aparelhos celulares no mercado brasileiro. Dedicada exclusivamente à tecnologia GSM, a empresa está confiante no crescimento deste segmento, já que a nova rede da Vivo, que no ano passado, tomou a decisão de também migrar para esta tecnologia, está prestes a entrar em operação.

A divisão alemã da fabricante taiwanesa entrou em concordata em setembro do ano passado e pediu falência ontem, depois que não conseguiu honrar suas dívidas.

PUBLICIDADE
Anterior Compra da PT pela Sonaecom pode ser concluída em março
Próximos Ministério prepara criação de redes públicas de TV e rádio