Antes de escolher um computador, o governo vai testar.


O Classemate, da Intel, quer integrar o projeto Um Computador por Aluno (UCA), coordenado pelo governo. Aqui está o foco da disputa: a Intel vai distribuir 800 PCs educacionais no início do próximo ano, enquanto mil unidades do 2B1 já estão sendo testadas desde outubro, em diversos laboratórios, entre os quais o Laboratório de Sistemas …

O Classemate, da Intel, quer integrar o projeto Um Computador por Aluno (UCA), coordenado pelo governo. Aqui está o foco da disputa: a Intel vai distribuir 800 PCs educacionais no início do próximo ano, enquanto mil unidades do 2B1 já estão sendo testadas desde outubro, em diversos laboratórios, entre os quais o Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI), da USP. O projeto pedagógico é desenvolvido pelo Ministério da Educação.

A única certeza que o governo dá, até o momento, é a prioridade à educação, com foco na inclusão digital, uma das metas para os próximos quatro anos. Mas assegura que não assinou qualquer compromisso formal com a Intel ou com o MIT. "O importante, neste momento, é definirmos se essas soluções são válidas para o Brasil. Temos conversado com a Intel e com o Negroponte para fazer o projeto piloto. Temos interesse, mas precisamos testar primeiro", afirma José Luiz Aquino, da Assessoria Especial da Presidência da República. Porém, no caso de o governo adotar a solução da Intel, a opção será pelo software livre. "Já fizemos nossa opção, e ela é pelo Linux", assegura Aquino.

Oscar Clarke, gerente geral da Intel no Brasil, questionou o valor do 2B1. Para ele, a estimativa de US$ 140 não leva em conta a manufatura local. "Não dá pra ser apenas uma construção de peças. Construção local é conceito", disse ele.

Anterior Telefônica quer do governo o mesmo tratamento conferido à Sky/DirectTV
Próximos Portal Tele.Síntese está no IG