Angola Cables traça plano de contingência para lidar com a ameaça da Covid-19


António Nunes, CEO da Angola Cables, durante o evento de lançamento da pedra fundamental do data center
António Nunes, CEO da Angola Cables, durante o evento de lançamento da pedra fundamental do data center localizado em Fortaleza (CE)

A Angola Cables, operadora de data centers e cabos submarinos que ligam o Brasil a Angola e aos Estados Unidos, baixou diretrizes para assegurar a continuidade de seus serviços durante a crise causada pela Covid-19. A empresa também adotou medidas preventivas junto ao seu corpo de funcionários para reduzir o risco de contaminação pela doença.

“Implementamos um plano de continuidade de negócio, com medidas desenhadas para enfrentar as necessidades de capacidade e qualidade das redes nacionais e internacionais, garantindo assim uma pronta resposta de nosso Network Operations Centre (NOC) e de nossos Data Centers AngoNAP onde, para além das medidas de segurança e de condições de saúde para os funcionários e visitantes, estamos disponibilizando assistência remota e continuada aos nossos clientes, 24 horas por dia”, garante Antonio Nunes, CEO da Angola Cables.

A Angola Cables estruturou também métodos emergenciais de relacionamento com seus clientes, como oferecer atendimento diário junto às suas equipes de engenharia, para que em conjunto, façam análises de tráfego de dados e verifiquem soluções técnicas que possam responder, da melhor forma, a esse momento em que as redes de todos os operadores estão em “over demand”. A multinacional está à disposição dos clientes também por webinar e vídeoconferência.

PUBLICIDADE

Diretrizes e orientações aos funcionários

A operadora instituiu as seguintes práticas e políticas de efeito imediato:

• Manter a continuidade de suas operações e serviços seguindo as diretrizes fornecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e as diretrizes internacionais de melhores práticas de conscientização do COVID-19, para minimizar o risco potencial de infecção.

• Estabelecer condições específicas em termos de viagens de negócios, especialmente para destinos conhecidos onde o COVID-19 foi identificado.

• Priorizar as questões de saúde e segurança, com atenção especial às práticas de higiene, pelos responsáveis ​​no local de trabalho e em suas instalações operacionais – como o Datacenter de Fortaleza.

• Incentivar os funcionários, clientes, fornecedores e outros a fazer um maior uso de ferramentas remotas e reuniões virtuais para reduzir a necessidade de viajar.

• Todas as instalações da empresa receberam orientações, protocolos, equipamentos e suprimentos de higiene para evitar qualquer risco potencial ao COVID-19.

“Assim como acontece com muitas outras empresas em todo o mundo – e por recomendação das autoridades -, a grande maioria de nossos funcionários está trabalhando de forma remota; porém, na velocidade que uma companhia precisa ter em um mundo de economia digital. Estes são tempos difíceis, mas vamos superar isso juntos. Vamos ficar seguros e conectados”, afirma o CEO da empresa. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Stefanini Rafael traz tecnologia que prevê onde vão surgir novos surtos do vírus
Próximos TIM coloca 1,4 mil funcionários de call center para trabalhar de casa