Anatel vai ter sistema para monitorar on-line a rede brasileira de telecom


Tele.Síntese Análise 339 O grande legado que a Anatel vai receber a partir da Copa de 2014 é um sofisticado sistema de monitoramento on-line da rede brasileira de telecomunicações. “Vamos poder mapear toda a infraestrutura das operadoras, incluindo as estações radiobase, o que vai nos permitir identificar eventuais gargalos e atuar preventicamente em situações de …

Tele.Síntese Análise 339

O grande legado que a Anatel vai receber a partir da Copa de 2014 é um sofisticado sistema de monitoramento on-line da rede brasileira de telecomunicações. “Vamos poder mapear toda a infraestrutura das operadoras, incluindo as estações radiobase, o que vai nos permitir identificar eventuais gargalos e atuar preventicamente em situações de deficiência da rede”, comenta o presidente da Agência, João Rezende.
Mas esse sistema de monitoramento é da rede física e dos ativos de infraestrutura das operadoras. Não envolve o acesso de fiscais aos bancos de dados das empresas com a base de clientes, motivo de uma intensa polêmica no final de 2010 quando, na reformulação dos contratos de concessão, o conselho diretor da Anatel chegou a dar o seu aval para que os fiscais atuassem nas concessionárias sem precisar fazer qualquer comunicação à empresa ou à justiça. Esse tipo de acesso não está em discussão.
Para montar essa infraestrutura de monitoramento com vistas a garantir a eficiência do sistema de telecomunicações no atendimento às cidades-sede da Copa, a Anatel vai investir R$ 171 milhões, previstos na resolução do Grupo Executivo da Copa do Mundo (Gecopa), que também destinou R$ 200 milhões para a Telebras implantar a rede de alta velocidade que vai conectar as cidades-sede. Serão R$ 45 milhões neste ano, R$ 100 milhões em 2013 e o restante em 2014.
Os recursos serão aplicados na compra do sistema de gestão de risco, de consultoria para a depuração dos dados e na montagem da “sala da situação”. E será a partir da sala da situação, que os técnicos da agência vão poder controlar
toda a infraestrutura de telecomunicações do país.
O sistema de monitoramento vai permitir, durante o evento esportivo, que a Anatel faça a gestão do uso do espectro e o mapeamento de infraestruturas críticas de telecomunicações. O planejamento inclui, para cada cidade-sede, estações de radiomonitoragem em estádios, aeroportos e locais de fan fest, além de equipamentos para testes de qualidade dos serviços móveis. Uma das principais tarefas da equipe da fiscalização da agência será impedir que haja 30
interferência de comunicações não autorizadas no âmbito dos estádios, como define o manual da Fifa.
A agência ainda tomará medidas regulatórias, como a emissão de licenças de uso temporário do espectro; mapeamento dos riscos na infraestrutura crítica de telecomunicações; e o suporte à mobilidade dos agentes, possibilitando o acesso em tempo real a sistemas.
A realização da Copa traz uma oportunidade rara para a Anatel se modernizar tecnologicamente já que, por restrições orçamentárias, ela investiu muito pouco nos últimos anos nessa área. Em 2011, por exemplo, sua rubrica investimentos foi de apenas R$ 15 milhões, dos quais R$ 11 milhões foram gastos. Diante desse quadro, Rezende reconhece que será um desafio para a equipe da agência licitar e implantar o sistema dentro dos prazos exigidos. Para isso, ele vem buscando qualificar a Secretaria de Administração, responsável por todo o processo de licitação. “Temos que dotar essa área de capacidade de gestão”, resume.

Sala da situação
O primeiro passo para a compra do novo sistema de gestão de risco foi dado na semana passada com o início dos trabalhos para definir os termos de referência do software.
De acordo com o que está previsto pelo Gecopa, este sistema será integrado aos demais já implantados na Anatel, georreferenciado, e terá dois níveis de gestão de risco.
O nível 1 envolve as estações radiobase, com o levantamento de informações por meio de fiscalização in loco e questionários web. O nível 2 diz respeito aos serviços prestados na região, por meio do controle dos indicadores de qualidade, investimentos e outros itens. No caso, o levantamento das informações será feito pelos sistemas da Anatel.
Para realizar este novo trabalho, os técnicos da Anatel vão visitar países que sediaram edições anteriores da Copa do Mundo, como a África do Sul, para aprender com as experiências anteriores. O orçamento destinado para a preparação da Anatel para a Copa prevê, em uma de suas rubricas, recursos para o treinamento de fiscais em uma língua estrangeira.

Anterior Agência poderá estudar a desoneração parcial do Fistel
Próximos NIC.br garante internet mais segura e rápida no Brasil