Anatel vai certificar baterias de celulares


No próximo dia 28, a Anatel terá a última reunião com a Abinee – Associação Brasileira da Indústria Eletroeletrônica- para tentar fechar um acordo sobre a norma de certificação das baterias de celulares, que deverá ser lançada para consulta pública ainda este semestre. Nos últimos meses algumas baterias chegaram a explodir, provocando ferimentos nos usuários. …

No próximo dia 28, a Anatel terá a última reunião com a Abinee – Associação Brasileira da Indústria Eletroeletrônica- para tentar fechar um acordo sobre a norma de certificação das baterias de celulares, que deverá ser lançada para consulta pública ainda este semestre. Nos últimos meses algumas baterias chegaram a explodir, provocando ferimentos nos usuários. Segundo o superintendente de radiofreqüência da Agência, Francisco Giacominni, a intenção é criar regras de segurança para todos os tipos de baterias que são comercializadas hoje no país.

Até que a norma fique pronta e as baterias certificadas comecem a  ingressar   no mercado brasileiro, Giacominni recomenda que sejam usadas apenas baterias originais dos fabricantes de aparelhos telefônicos. O problema é que são vendidas no mercado interno muitas baterias  acondicionadas ou fabricadas sem licença do fabricante, as conhecidas “compatíveis”, que podem não estar seguindo todas as regras de segurança de fabricação.

A intenção da Agência é a de criar um selo Anatel tanto para as baterias como para os carregadores – o que, reconhece o técnico, irá encarecer o produto final- para que a fiscalização da Agência possa indentificar – e recolher – os produtos sem procedência que forem vendidos no mercado interno.

A norma irá também estabelecer regras para o recolhimento das baterias usadas e, para isto, a Agência está travando reuniões com a Acel (associação das operadoras de telefonia celular). As baterias carregam gases tóxicos (entre eles o lítio), e, se não forem tratadas como material tóxico, podem comprometer seriamente o meio-ambiente, inclusive o lençol freático.

Anterior Qualcomm prepara o EV-DO revisão B
Próximos Brasileiro quer o comando da UIT