Anatel terá que aprovar qualquer alteração no quadro societário da CorpCo, a fusão Oi /PT


A Anatel está acompanhando os desdobramentos da compra pela Portugal Telecom de dívidas de empresa sem comunicar a Oi, mas só pode ser acionada se a questão culminar com a redução da participação acionária da operadora portuguesa na CorpCo,resultante da fusão entre as duas teles. “Nesse caso, haverá necessidade de uma aprovação prévia da agência”, disse João Rezende, nesta terça-feira (15).

Hoje, vence uma parte dos papéis da dívida da Rioforte, empresa do Grupo Espírito Santo, adquiridos pela PT. Ao todo, a operadora investiu perto de 900 milhões e há pouca expectativa de que recuperará esse valor. “Se a PT vai reduzir sua participação na nova empresa, isso é uma decisão dos sócios”, disse o presidente da Anatel. Ele não acredita que essa questão comprometerá a fusão das duas companhias, nem que serão prejudicados os investimentos e os serviços da concessionária no Brasil. “Estamos atentos para evitar isso”, disse.

TIM

Sobre a dissolução da Telco, consórcio liderado pela Telefônica e detentor de mais de 22% das ações da Telecom Italia, Rezende disse que a agência não foi informada. “Até o momento, recebemos a comunicação oficial apenas da saída das empresas Mediobanca e Generali da sociedade”, disse.

Segundo o presidente da Anatel,a agência também terá que aprovar a operação de dissolução do controlador italiano, mas as questões competitivas serão julgadas somente pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Anterior Rezende afirma que preço da faixa de 700 MHz só sai dia 25
Próximos CPqD conclui desenvolvimento de sistema de rádios cognitivos