Anatel quer incluir benefício social em preço de leilão de espectro


Segundo o superintendente de planejamento e regulação da agência, Alexandre Bicalho, na nova pauta regulatória que está sendo elaborada, a agência vai incluir uma proposta de licitação que faça o cálculo do Valor Presente Líquido (VPL) da frequência a ser vendida levando em consideração o benefício social das metas a serem estabelecidas. Resta saber se o governo vai apoiar essa ideia.

shutterstock_Merydolla_politica_infraestrutura_regulacao_geral_frequencia_abstrataO SindiTelebrasil – que representa as operadoras de telecomunicações – voltou a defender hoje, 30, durante a reunião do Conselho Consultivo da Anatel, que as futuras licitações de frequências tenham como principal premissa a cobertura e abrangência do serviço, e não mais, como ocorreu até hoje, arrecadação de recursos para o Tesouro Nacional. ” A sociedade está demandando cada vez mais  do celular, não só em cobertura como em capacidade. Mas o governo prefere arrecadar a ampliar a cobertura do serviço”, reclama o diretor da entidade, Carlos Duprat.

Embora seja o Poder Executivo que defina a política a ser adotada pela agência reguladora na  elaboração  dos editais de venda de frequências – na última licitação realizada para a banda larga móvel,  a orientação do Ministério da Fazenda foi mesmo para a Anatel arrecadar a maior quantidade de recursos possível para o Tesouro, o que implicou em redução das obrigações de cobertura- a Anatel tente pelo menos negociar alguns pontos para a ampliação da rede móvel.

Agora, porém, segundo o superintendente de planejamento e regulação da agência, Alexandre Bicalho, na nova pauta regulatória que está sendo elaborada, a agência está buscando se instrumentalizar melhor. E  a consultoria contratada já está elaborando uma proposta de Valor Presente Líquido (VPL) que levará em consideração o benefício social das metas a serem estabelecidas.

PUBLICIDADE

Essa mudança seria implementada juntamente com as outras modificações previstas na proposta de projeto de lei que tramita no Congresso Nacional, o PL 3453, e que propõe a reformulação do marco legal de telecom. O projeto de lei  prevê a criação de revenda privada de espectro, além de acabar com o prazo determinado para o fim das atuais licenças de radiofrequências.

Assim como tudo o que a área técnica está tocando atualmente, não ainda sinalização de que essas propostas serão encampadas como políticas governamentais.

Anterior Portfólio enxuto da Oi alavanca vendas para PMEs
Próximos IoT pode levar Qualcomm a comprar NXP