Anatel publica condições para a fusão de GVT e Telefônica


Dezessete meses depois, finalmente a Anatel confirma a fusão da GVT com a Telefônica, negócio de R$ 20 bilhões. Como condição, haverá redução na tarifa do telefone fixo de SP a ser calculada pela Anatel, devolução de licenças de TV paga e de telefonia fixa, e transformação dos ativos da GVT de São Paulo em bens reversíveis.

Foi publicado hoje, 28, no Diário Oficial da União, o ato nº – 50.169 da Anatel, que autorizou a compra da GVT pela espanhola Telefônica, negócio de R$ 20,1 bilhões e swap de ações, fechado em agosto de 2014. O Cade, agência antitruste brasileira, aprovou a operação em março do ano passado, com alguns condicionamentos.

A Anatel também estabeleceu condicionamentos, que deverão ser cumpridos pela empresa em até 18 meses. Entre eles, conforme a decisão de hoje:

– uma das licenças de banda larga (tanto a GVT como a Telefônica têm licença de SCM para todo o Brasil) terão que ser devolvidas para a Anatel imedidatamente;

– A Anatel concedeu  18 meses para a GVT vender ou transferir para terceiros suas licenças de longa distância nacional, internacional e local de telefonia fixa que estão sobrepostas com as licenças da Telefônica.  O mesmo prazo será gasto para a GVT vender  a sua outorga de  TV paga (SEaC). Se não conseguir, terá que renunciar às outorgas.

– As empresas terão que, em seis meses  apresentar à Anatel a relação de todos os bens das operadoras incorporadas (GVT e Global Village) que estão no estado de São Paulo (região da concessão) onerados judicialmente. Deve ser apresentada também no mesmo período a lista dos bens reversíveis. Além disso,  Telefônica deve permitir que os técnicos da agência acessem os seus sistemas de controle de bens reversíveis a qualquer momento.

Redução Tarifária

Os usuários de telefonia fixa de São Paulo da Telefônica terão ainda uma redução tarifária, cujo valor será calculado pela Anatel, devido aos ganhos com a economia de escopo que a empresa terá com a fusão. Esses ganhos  de produtividade precisam ser repassados para a tarifa do usuário final.

Como esse valor ainda vai ser calculado pela agência, o ato estabelece a priori que a empresa abre mão de recorrer da decisão e do percentual a ser estabelecido pela agência.

Anterior EMBRAPII destinou cerca de R$ 40 milhões a projetos de inovação em 2015
Próximos Qualcomm perde receita no primeiro trimestre fiscal de 2016

3 Comments

  1. APARECIDO MANOEL DA SILVA
    28 de Janeiro de 2016

    Eu espero que a VIVO não estrague a Antiga GVT porque senão estamos ferrados

  2. Ronan
    31 de Janeiro de 2016

    A gvt tem feito traffic shapping em downlaods http!!! limitando a velocidade a 2mbit, independente do plano contratado! fizeram um bypass nos speedtests da vida, pois todo speedtest dá a velocidade contratada, mas quando voce faz download dee algum site, via http, o download não passa de 200k/s!!!!!!!!!!!

    • APARECIDO
      1 de Fevereiro de 2016

      Ronan! realmente esta acontecendo essa porcaria de traffic shapping eu não sei como a Anatel não começa fiscalizar com mais rigor