Anatel propõe reduzir lista dos bens da concessão de telefonia que deverão ser devolvidos à União


A proposta mantém na lista de bens reversíveis a serem controlados pela Anatel apenas os mais relevantes, como central de comutação e equipamentos de transmissão, disse o conselheiro Vicente Aquino. Cabos e fios ficam foram a relação. E as obrigações das concessionárias podem acabar caso a competição com o serviço privado torne insustentável a prestação do regime público. A consulta ficará aberta por 45 dias

O Conselho Diretor da Anatel aprovou hoje, 5, proposta de Regulamento da Continuidade da Concessão, com prazo de 45 dias para a consulta pública  e realização de uma audiência pública. Esse é um dos regulamentos que mais polêmicas pode gerar,  pois  irá definir quais os bens e os critérios de cálculo dos bens que integram atualmente o patrimônio das concessionárias de telefonia fixa e que deverão ser devolvidos à União em 2025, quando termina o prazo legal dessas concessões.

Esse regulamento servirá também para o encontro de contas para as operadoras que quiserem antecipar o fim dessa concessão – conforme prevê a lei 13.879/19 , originária do PLC 79- e então aplicar o montante dos recursos em redes de banda larga.

PUBLICIDADE

Conforme a proposta do conselheiro Vicente Aquino, que foi aprovada por unanimidade pelos demais dirigentes da Anatel, as empresas não precisarão mais entregar à agência uma relação extensiva e minuciosa de todos os seus bens usados para a prestação do serviço público de telefonia fixa, conhecidos como “bens reversíveis”.   Serão excluídos dessa lista todos os “bens de massa”. Embora a íntegra da proposta não tenha sido distribuída, e não se sabe exatamente o que são esses bens, assessores do conselheiro explicaram que entre esses bens de massa estarão presentes os cabos e fios das concessionárias.

” As empresas ficarão obrigadas  a entregar  para a Anatel a relação dos bens mais relevantes, como equipamentos de comutação, de transmissão e torres”, disse Aquino.

Entre as novidades proposta, o conselheiro admite também no regulamento que, se a competição com o serviço privado tornar insustentável a concessão do regime público, as obrigações das concessionárias podem terminar ou diminuir, por decisão da Anatel.

Bens Compartilhados

A proposta define também como deverão ser tratados os bens das concessões que são compartilhados com os serviços privados, um dos principais pontos de discórdia entre o mercado e os reguladores há alguns anos. Pela proposta de Aquino, esses bens poderão ser usados para a prestação do serviço privado, por contrato de direito de uso, não cabendo, por isso, indenização da União para os bens não amortizados.

Outra mudança importante na proposta refere-e aos bens de terceiros. Conforme a proposta do regulamento, as operadoras deixam de ficar obrigadas de apresentar à agência a Relação dos Bens de Terceiros (RBT) e a Relação de Serviços Contratados (RSC), mas ficam obrigadas a manter, para auditorias futuras, a relação dos contratos celebrados.

O documento traz ainda critérios para o estabelecimento de alguns tipos de bens reversíveis que podem ser dispensados de anuência da Anatel para a sua aquisição. E as hipóteses a para a dispensa de anuência prévia da Anatel para a venda dos bens.

Estabelece também proposta para os bens já amortizados de como deverão ser utilizados nos futuro. A proposta explicita ainda que, no cálculo da indenização deverão ser aplicadas as normas da Secretaria da Receita Federal.

 

 

Anterior Anatel multa presidente da Transit por fraude com tráfego de telecom
Próximos 46 operadoras no mundo lançaram redes comerciais 5G