Anatel pode intervir nesta sexta na Oi, se conselho derrubar a diretoria


Fortes rumores de que o Conselho de Administração da Oi deverá destituir a diretoria estatutária da Oi, amanhã, 27, na reunião marcada para discutir o novo plano de recuperação judicial, já provoca dura reação por parte do Executivo. Fontes do governo avisam – se conselho destituir a diretoria, a Anatel fará a intervenção na empresa.

TeleSintese-Reuniao-ideias-bate-bapo-conversa-mesa-planos-apresentacao-Fotolia_112785194

 

 

 

Fortes rumores de que o Conselho de Administração da Oi deverá destituir a diretoria estatutária da Oi, amanhã, na reunião marcada para discutir o novo plano de recuperação judicial, já provoca dura reação por parte do Executivo. Fontes do governo avisam – se conselho destituir a diretoria, a Anatel fará a intervenção na empresa.

O CEO da Oi, Marco Schoereder, é a peça fundamental para o governo concretizar o seu novo plano de recuperação, que prevê uma forte diluição dos atuais acionistas – Pharol e Nelson Tanure – já que a costura do plano conta com a aliança entre os bondholders (investidores estrangeiros) e os bancos públicos nacionais.

A reunião do conselho é hoje, 26, a tarde, e, há uma questão concreta que precisa ser resolvida, que está ampliando o atrito entre os executivos da empresa e os seus conselheiros. Segundo fontes do governo, um grupo de bondholders – conhecido como G6- que se aliou ao acionista Nelson Tanure (eles têm cerca de R$ 800 milhões de bônus investidos na Oi) aceita até colocar mais dinheiro na companhia, mas quer ter a sua remuneração comissionada antes de fazer o desembolso. E a diretoria estaria se recusando a assinar o acordo.

Conforme prevê a lei de recuperação judicial, somente a própria empresa pode levar para a assembleia de credores um plano para deixar essa situação, com projeções de pagamento aos credores e de investimentos.

Assim, nem governo, nem os credores públicos (Anatel, bancos oficiais e BNDES) podem fazer uma proposta na Assembleia, mesmo que ela esteja fechada pela maioria dos credores. A questão é que, para a Oi encampar outro plano, precisará ter a aprovação do Conselho de Administração, formado por representantes dos dois acionistas.

Mas, na estratégia do governo, poderia haver uma saída jurídica contando apenas com a participação dos votos dos diretores estatutários da Oi. Se houver mesmo este embate, como circulam os rumores,  a Anatel fará a intervenção “light”, sem se meter no operacional da empresa. Irá afastar o conselho de administração, quem na sua avaliação, é aquele que cria o principal problema para a viabilização de um plano que efetivamente garanta a saúde financeira da operadora.

Nesta semana o jornal Estado de S.Paulo informava que Tanure andava pelos gabinetes de Brasília para pedir a destituição da diretoria executiva da Oi, o que ele nega, alegando inclusive que na data referida pelo jornal, ele sequer estava em Brasília.

Mas o governo, reagindo a boatos ou não, dá mais um sinal de que quer mesmo isolar Tanure. A decisão da Anatel, de ameaça com intervenção, será formalmente comunicada ao presidente do conselho José Mauro Mattral.

atualizada às 14 horas.

Anterior Governo pode aprovar plano de recuperação da Oi sem conselho de administração?
Próximos Galaxy J5 Pro e J7 Pro agora podem fazer pagamentos com Samsung Pay

4 Comments

  1. Erick
    26 de outubro de 2017

    A Oi precisa resolver seu futuro logo, tem clientes e acionistas refens dessa situação.

  2. Wellington Menelli
    26 de outubro de 2017

    Incrível e inimaginável o grau de intervencionismo e forma como a Anatel chantageia uma empresa, em vez de ajudar chantageia a OI posicionando-se claramente em favor dos fundos abutres e bancos credores e contra os acionistas minoritários.

    Gostariamos que a Anatel tivesse esse posicionamento quando os controladores inclusive o BNDS arrebentaram com a empresa fazendo falcatruas em atos societários que incorporavam as dívidas dos controladores no balanço da OI.
    Hoje quando tem um acionista que briga pela empresa e por tabela pelos interesses dos minoritários a anatel se presta a um papel desses, lamentável.

    Tanure está certo em defender a OI dos fundos abutres e bancos e errada está a anatel por seus conselheiros que querem acabar com o mercado de K no Brasil.

    Brasil nunca vai ter um capitalismo decente, pois as agências e a CVM defendem sempre os controladores ou os bandidos, os acionistas minoritários que se lasquem.

  3. Mirela
    26 de outubro de 2017

    O governo quer dinheiro!!! Os chineses querem entrar e comprar parte da Oi. Enquanto esse cabo de força é disputado , os clientes pagam a conta pq a Oi não investe com medo de uma intervenção e o governo não cobra os investimentos pq quer os chineses na jogada.

  4. Edson Moraes
    26 de outubro de 2017

    Tomara que saia logo da recuperação e pague as muitas ações nas justiça que perdeu e continua perdendo
    Enquanto os setores não falarem entre si