O conselho diretor da Anatel negou, nesta quinta-feira (4), o recurso administrativo interposto pelo SindiTelebrasil contra a decisão do Grupo Executivo do Grupo de Implantação de Processos de Aferição da Qualidade (Gipaq) sobre o uso do PTT.Metro para medição da qualidade da banda larga. As teles defendiam a aferição dentro das próprias redes, mas prevaleceu a posição da agência, que queria a medição off-net.

O relator da matéria, conselheiro Rodrigo Zerbone, justificou sua posição afirmando que o modelo escolhido, de medição off-net, é capaz de captar de forma mais precisa a qualidade da rede, sem possibilidade de manipulação dos resultados pela operadora. Ele disse também que a opção foi baseada em critérios técnicos.

Sobre o local de medição, definido para acontecer nos PTT.Metro, do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGi.br), Zerbone argumentou que estão presente em 20 cidades e que estão preparados para fazer a medição da qualidade off-net. Ele lembrou que a Anatel, juntamente com o CGI e o Inmetro já usaram as estruturas para pesquisar a qualidade do serviço no país, com muito sucesso.

Ainda cabe recurso administrativo da decisão. Mas a aferição da qualidade deve começar já no final deste mês, conforme estabelece o regulamento aprovado.