Anatel mantém preferência à tecnologia nacional no leilão de 700 MHz


shutterstock_Alexander Bark_Tecnologia_Mercado_Brasil_P&D_TIC_Apesar do aumento de reclamação  dos países desenvolvidos contra a política industrial brasileira, de preferência à tecnologia e produção  nacionais, a Anatel manteve a política de  obrigar as operadoras de celular a comprar  e equipamentos com tecnologia nacional  no edital de venda da faixa de 700 MHz. A consulta pública do edital será lançada no dia 2 de maio e foi aprovada ontem pelo conselho diretor da agência. Juntamente com o edital virá o regulamento para cuidar da interferência entre  o serviço de banda larga móvel e a TV digital.

O voto do conselheiro Jarbas Valente explicita que o “ o Edital proposto estabelece o cumprimento pelas  vencedoras de metas mínimas de compromisso de aquisição de bens, produtos, equipamentos e sistemas de telecomunicações e de redes de dados com tecnologia nacional”.

A primeira vez em que a Anatel definiu exigências para a empresas privadas investirem em uma quantidade mínima de produtos e serviços com tecnologia nacional foi no edital de venda do espectro de 2,5 GHz e 450 MHz. Conforme as regras daquele leilão, entre 2012 e dezembro de 2014, 60% dos investimentos  em bens ou produtos de telecomunicações adquiridos pelas operadoras tem que ter tecnologia ou produção nacional, sendo 50% de produtos de telecomunicações de acordo com o PPB (Processo Produtivo Básico) e 10% em investimentos em produtos com tecnologia desenvolvida no país.

Entre 2015 e dezembro de 2016 , 65% dos investimentos em bens e produtos de telecomunicações terão conteúdo local, 50% de produtos com PPB e 15% de tecnologia desenvolvida no país. Entre 2017 e 2020, os percentuais sobem para 70%, com 20% de tecnologia desenvolvida no país.

Por causa desta política, que tem como base a definição da tecnologia nacional da portaria 950 do Ministério da Ciência e Tecnologia, e regras de PPB firmadas pela  lei de informática, que está agora sendo questionada pela Abinee, fazem pressão para a sua mudança  os maiores países desenvolvidos.

Estados Unidos, União Europeia e Japão ingressaram com questionamentos junto a Organização Mundial do Comércio sobre esta preferência exercida pela Anatel no primeiro edital. Os países pedem para a OMC interferir para que o Brasil reconsidere o uso de exigências “discriminatórias” no leilão.  E alegavam que não queriam que a mesma política se repetisse no editald e venda da faixa de 700 MHz. Justamente o que ocorreu. Para o governo, as alegações dos países são infundadas.

Anterior Publicidade na web supera pela primeira vez faturamento da TV aberta nos EUA em 2013
Próximos Samsung agrega valor com benefícios em apps para impulsionar S5