Anatel está preocupada com divergências sobre caixa da Oi


Foto: Felipe Canova GonçalvesO conselheiro Leonardo Euler de Morais disse agora à noite que decidiu adiar a análise da cassação das licenças da Oi devido a novos fatos sobre os quais tomou conhecimento e que agora precisam ser internalizados. E esses fatos são as divergências entre os acionistas e os bondholders e as divergências sobre como usar o caixa da Oi.

“Existem parcelas importantes do bondholders  (credores) que dizem ter dificuldades muito grandes de negociar com os shareholders (acionistas). “A situação está mais polarizada do que o normal e a falta de alinhamento de interesses nos preocupa”, afirmou.

Além disso, Morais disse que a Anatel apurou posicionamentos divergentes sobre a forma de endereçamento do caixa da Oi, o que também deixou-o muito preocupado. Segundo Leonardo Morais, a Oi está há muitos anos investindo menos em relação à sua receita do que as demais operadoras do setor, o que significa que é fundamental uma forte injeção de recursos.

“O capex versus a receita da Oi é muito inferior ao dos demais”, afirmou. Para a Anatel, ressaltou, é importante uma solução de mercado, mas a agência tem o dever de atuar para preservar a companhia no longo prazo.

Hair Cut

O conselheiro insistiu ainda em que a AGU recorreu ao STJ para retirar as multas da Oi da recuperação judicial porque nenhum ente público tem liberdade para negociar créditos públicos ou flexibilizá-los. “Não tem hair cut (ou corte das dívidas) com dívida pública”, concluiu.

Anterior Atendimento ao cliente por robô custa 10x menos que o humano, na Vivo
Próximos TST manda funcionários dos Correios encerrarem greve

4 Comments

  1. Erick
    29 de setembro de 2017

    A Oi precisa de encontrar uma solucao… urgente! Perderam o Sawiris e se vacilarem vao perder a China Telecom.

  2. Wellington Menelli
    29 de setembro de 2017

    Nao tem nada a ver, nao é funçao da Anatel se meter entre acionistas e credores, isso deve ser resolvido dentro da lei da RJ e sob orientaçao da justiça. Quanto aos créditos de multas sao questionadas também na justica e já foi muitíssimo bem fundamentado no despacho do Juiz sobre o assunto.
    Quanto ao insvestimento x capex ser menor ou maior que as concorrentes também nao é sua funcao, é assunto interno da empresa.
    Um assunto que deveria ter sido visto e auditado pela Anatel foi as aventuras cometidas de fusoes e incorporaçoes de dívidas dos controladores pela empresa que levaram a situacao atual. Portanto coselheiros da Anatel, nao é hora de birra e vinganca, ajam dentro da lei, e a propósito a forma de fazer o que estao fazendo levará o governo ou a Anatel a pagar honorários advocatícios de milhoes em funçao da certeza que as multas ficarao dentro da RJ sob a forma da lei.
    A Anatel e a Agu estao estrapolando seus deveres e levando a uma situacao de levar a empresa a bancarrota e afugentando investidores por uma postura de crianças birrentas.

  3. Giuliano
    30 de setembro de 2017

    Julgar os méritos e deméritos da Anatel agora, a questão é que a Oi, nunca cumpriu com suas metas e obrigações. Milhões em multas, por serviços e tecnologia arcaicas, que não atendem as exigências e necessidades de seus usuários finais. Toda razão para a Anatel, tem que investigar, julgar e executar.

  4. Thiago
    2 de outubro de 2017

    Assim que o REFIS das Autarquias for aprovado no Senado e sancionado pelo Temer, essa briga com a Anatel acaba, pois a Oi irá parcelar todas as multas em até 20 anos, com parcelas a perder de vista e, aí sim, a empresa terá condições de costurar um acordo com os credores (e, principalmente, jogando para escanteio todos os bondholders “malas sem alça” que estão travando o processo – principalmente o grupo do egípcio).