Anatel dá aval à joint venture entre Hughes e Yahsat


A Anatel anuiu previamente a criação de uma associação (joint venture) para prestação em conjunto de Serviços de Comunicação Multimídia (SCM) entre a Hughes e Yahsat. O condicionamento estabelecido é somente a transferência da outorga para prestar o Serviço de Comunicação Multimídia (SCM) e o Direito de Exploração de Satélite Brasileiro detidos por Yah Telecomunicações à Hughes Telecomunicações do Brasil. A operação foi comunicada em maio deste ano.

A Hughes, subsidiária do grupo estadunidense Echostar, e a Yahsat, operadora de satélite do fundo de investimentos árabe Mubadala. Ambas as empresas operam no mercado de banda larga satelital e anunciaram em maio a união dos negócios no Brasil. A nova empresa será controlada pela Hughes, enquanto a Yahsat terá 20% de participação no capital social. Todos os serviços de comunicação ofertados pela EchoStar e pela Yahsat no Brasil serão combinados e detidos pela joint venture.

A nova empresa vai atuar em todo o território nacional no fornecimento de serviços de conectividade à internet de banda larga para consumidores e pequenas empresas; serviços de comunicação para clientes corporativos e organizações governamentais, e serviços de comunicação por atacado para outras prestadoras de telecomunicações.

As empresas argumentam que a união possibilita a existência de um veículo por meio do qual Hughes e Yahsat poderão combinar seus ativos para ganhar escala e, como resultado, competitividade para aumentar a concorrência no mercado de serviços de comunicação no Brasil, especialmente no varejo, no mercado de SCM para consumidores residenciais e pequenos negócios. Juntas, terão 0,5% do mercado de banda larga fixa do país e carteira com cerca de 157 mil clientes – o mercado total de banda larga (SCM) tem 31,4 milhões de assinantes.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou a associação das duas empresas no início de setembro. O órgão antitruste não enxergou riscos à competição nem concentração de mercado na maioria das cidades onde vendem seus produtos. Nas cidades onde uma ou outra lideram, o baixo poder aquisitivo da população limita a expansão e monopolização do mercado.

A decisão da Anatel se deu por meio de circuito deliberativo.

Anterior Anatel prorroga consulta de proposta de edital para licitação de posições satelitais
Próximos Senacon abre processo contra Google por coleta de dados de menores

1 Comment

  1. Josias Carlos
    29 de novembro de 2019
    Responder

    Boa noite pq não uma empresa q venha para o mercado brasileiro de telecomunicação diferente de tdo q está aqui as operadoras deitam e rolam nos abusos em cima do consumidor eles se acham dono dos nossos aparelhos enche nos celulares de propagandas de vendas de produtos como se fosse brincadeira qdo vence nossos créditos interrompe sem prévio aviso na querem nem saber se estamos no meio de uma transação bancária ou de outro gênero.
    É de empresas diferentes destas q precisamos esse é meu pensamento e indignação….

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *