Anatel avisa que sem meta cumprida celulares não compram frequência


 O conselheiro da Anatel, Jarbas Valente, dá um duro recado para as operadoras de telefonia celular, que têm até o dia 30 de abril para cumprir os compromissos de abrangência assumidos durante a compra das faixas de 3G. “As empresas que não cumprirem as metas, não poderão participar dos próximos leilões de vendas de frequência”, …

 O conselheiro da Anatel, Jarbas Valente, dá um duro recado para as operadoras de telefonia celular, que têm até o dia 30 de abril para cumprir os compromissos de abrangência assumidos durante a compra das faixas de 3G. “As empresas que não cumprirem as metas, não poderão participar dos próximos leilões de vendas de frequência”, avisou, taxativo.

Segundo o conselheiro, além de proibir a presença na licitação, a agência irá resgatar as garantias (para cada cidade, as empresas tiveram que apresentar uma fiança bancária, que serão sacadas pela Anatel), além de abrir Pados (Procedimento de Apuração de Descumprimento de Obrigações), que irão gerar multas. Conforme Valente, as operadoras já foram notificadas pela Anatel das punições que poderão receber, e por isso ele acredita que elas irão cumprir as metas no prazo estipulado.

Ao todo, as quatro operadoras (Claro, Oi, Tim e Vivo) têm que atender 1.836 municípios com  menos de 30 mil habitantes (25% destas cidades para cada uma), e cobrir pelo menos 80% dos 47 municípios com mais de 500 mil habitantes com a 3G. As assessorias de imprensa das quatro afirmam que em 30 de abril estarão todas quites com as metas. Mas ainda há muito a fazer.

Conforme o site Teleco, em 13 abril, nem as cidades com mais de 500 mil habitantes estavam todas atendidas. A Vivo é a mais avançada, e a Tim, a mais atrasada. Nos grandes centros, somente a Vivo já tinha cumprido o seu papel. Oi e Claro precisavam ainda cobrir cinco municípios, e a Tim, 17 grandes cidades ainda estavam sem sua cobertura. Nos municípios com menos de 30 mil habitantes, nenhuma empresa ainda havia concluído as metas. A Vivo, mais uma vez, na frente, devendo 111 cidades. A Claro, 164 cidades; a Oi, 233; e a Tim 234 municípios.

Anterior Dança das cadeiras na IBM Brasil
Próximos Para Ipea, Brasil não pode abrir mão da super banda larga.