Anatel atualiza tabela de limite de frequências no SMP após fusão entre Claro e Nextel


A Anatel anunciou hoje, 1º, que atualizou suas tabelas de uso de espectro pelas operadoras móveis. A publicação levou em conta a incorporação da Nextel pela Claro, negócio concluído no final de 2019. A atualização contempla a Resolução 703/2018, que estabelece limites máximos de quantidade de espectro de radiofrequências.

Conforme os novos números, a Claro passou a deter maiores larguras de banda na maioria dos estados dentro da faixa de 1 GHz, mas não se aproxima dos limites máximos em nenhum. A operadora tem menos espectro sub-1GHz do que Vivo ou TIM apenas na Bahia (39 MHz contra 50 MHz das rivais), Minas gerais (25 MHz, contra 64 MHz de Vivo e 45 MHz da TIM) e Sergipe (25 MHz, ante 64 MHz e 50 MHz), Paraná (25 MHz vs. 50 MHz e 64 MHz), Santa Catarina (também 25 MHz contra 50 MHz e 64 MHz).

PUBLICIDADE

Para frequências entre 1 GHz e 3 GHz, a Claro só passou a ter menos frequências que as rivais no Mato Grosso do Sul (110 MHz contra 135 MHz da Vivo e 85 MHz da TIM).

Pelas regras da Anatel, estabelecidas na Resolução 703/2018, uma operadora pode ter até 35% das faixas abaixo de 1 GHz em uma região, o que significa 71,4 MHz. Já a posse de espectro entre 1 GHz e 3 GHz e limitada a 30%, o que significa 172,5 MHz.

A maior concentração de frequências sub-1 GHz da Claro se dá nos estados do Acre, Rondônia, Tocantins e São Paulo, onde detém 64 MHz. Entre 1 GHz e 3 GHz, a maior concentração acontece em oito estados, com 150 MHz: Alagoas, Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte.

As tabelas estão reunidas aqui.

Anterior Padtec agora pode levantar capital na bolsa
Próximos Operadoras buscam alternativas para evitar desligamentos, afirma Anatel