Anatel aprova retirada da Portugal Telecom da Vivo


O conselho diretor da Anatel aprovou, nesta quinta-feira (14), o ato de concentração relacionado à operação que resultou na retirada da Portugal Telecom do grupo de controle da Vivo Participações e da Vivo, por meio da compra, pela Telefônica, das ações representativas de 50% do capital da sociedade holandesa Brasilcel que controlava a operadora, ocorrida em maio de 2010. O relator da matéria, conselheiro Jarbas Valente, propôs a aprovação sem restrições.

No seu parecer, o relator conclui que operação não teve condão de gerar potencial exercício de poder de mercado pela Telefônica, nem por outras empresas ligadas ao grupo econômico adquirente, nos mercados de telefonia móvel, banda larga, infraestrutura de redes de telecomunicações e de telefonia fixa. “Percebe-se que a aquisição da empresa Brasilcel pelo Grupo Telefônica permite uma maior integração das operações de rede da concessionária e Vivo. Contudo, tal integração não implica, necessariamente, em efeitos negativos para o bem-estar econômico, podendo, inclusive, gerar efeitos positivos para o bem-estar social”, sustenta.

Valente também não viu necessidade de impor contrapartidas, já que a própria operadora propôs condicionamentos espontâneos, na época de solicitação da anuência prévia para concretizar a operação. Entre eles, o apoio institucional e patrocínio de cursos sobre direitos dos usuários de serviços de telecomunicações; aumento da rede de SMP e atendimento a cidades com até 30 mil habitantes; aumento da cobertura 3G e disponibilização de infraestrutura de conexão de redes de pesquisa avançada.

Com a aprovação, os autos do processo serão encaminhados agora ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), para conclusão do ato de concentração.

Anterior Divergências atrasam votações de matérias no conselho diretor da Anatel
Próximos Telebras marca AGE para homologar aumento de capital