Foto: Projetado pelo Freepik

Foto: Projetado pelo Freepik

São cinco conselheiros e três votos divergentes. Com a responsabilidade de tentar encontrar uma proposta  que não amplie o impasse,  o conselheiro da Anatel  Emmanuel Campelo pediu vistas ao processo que julga o pedido das operadoras para poderem cumprir as obrigações de cobertura das áreas rurais com a tecnologia de satélite e não apenas com a rede terrestre, e a faixa de 450 MHz.

Os conselheiros Juarez Quadros e Otávio Rodrigues votaram pelo uso do satélite por um período de dois anos, quando depois as empresas teriam que atender as áreas rurais por rede terrestres. O conselheiro Leonardo de Morais apresentou o primeiro voto divergente, liberando o uso do satélite por tempo indeterminado, mas com abertura de Pado e rígidas regras de cobertura.

O conselheiros Aníbal Diniz apresentou hoje, 17, outro voto.Mantém a liberação do uso do satélite por tempo indeterminado, mas libera as operadoras a usarem qualquer frequência (mesmo a de 700 MHz) para atender as cidades que devem ser atendidas com redes terrestres e propõe a retomada da faixa de 450 MHz que não estiver sendo usada e novamente leiloada para os pequenos operadores.