Stefabo-de-Angelis

O presidente da TIM, Stefano De Angelis, acredita que a ampliação do limite de espectro que cada operadora pode possuir é a principal pauta regulatória para 2018. Isso porque, explicou, a demanda por consumo de dados está crescendo exponencialmente, e espectro de frequência é o combustível da telefonia móvel. “Precisaremos de muito mais espectro, e o cap atual não nos atende mais”, afirmou. O executivo  espera, inclusive, que a frequência de 3,5 GHz seja destinada para o celular.

Segundo ele, os testes que estão sendo realizados pela TIM nessa faixa têm apontado que não haverá interferência entre os serviços de celular e os de satélite, que atualmente ocupam uma parte desta frequência.

Comprador

De Angelis afirmou ainda que a TIM continua a ser uma “compradora ” no mercado de telecom, mas para que isso ocorra, ressaltou, “é preciso haver entendimento com os vendedores”. Para ele, a Oi, quando tiver a sua dívida equacionada, volta a ser um competidor de relevância no mercado brasileiro.

” A fragilidade atual da Oi é a 4G, mas ela tem uma importante rede de fibra que nenhuma outra empresa tem”, assinalou o executivo. Segundo ele, a Oi tem backhaul de fibra em 2,5 mil municípios brasileiros, o dobro do segundo colocado, que é a Telefônica.