América Latina precisa investir US$ 300 bilhões para universalizar a banda larga


dia-1-congreso-latinoamericano-telecomunicaciones

Os países latino americanos precisam adotar políticas públicas para impulsionar a implantação de redes de banda larga e digitalizar a economia, em um esforço conjunto entre governo, agências reguladoras e empresas. Esta foi a conclusão do painel de abertura do 5º Congresso Latinoamericano de Telecomunicações, que acontece nesta semana em Cartagena, na Colômbia.

O evento é organizado por GSMA, UIT, Associação Iberoamericana de Telecomunicações (ASIET), Banco de Desenvolvimento da América Latina e CRC, a agência reguladora do setor da Colômbia. Presente ao evento, Pablo Bello, diretor executivo da Asiet, cobrou a criação e manutenção de políticas públicas de digitalização. Segundo ele, estas políticas devem ainda nutrir a confiança e colaboração entre todos os atores do ecossistema digital.

O executivo achou positiva a proposta do governo colombiano, de alcançar uma velocidade média da banda larga de 25 Mbps até 2019. Mas ressaltou que é mais importante reduzir o abismo digital do que pensar em políticas que se reflitam apenas na velocidade. Pelos seus cálculos, seria preciso investir US$ 300 bilhões para universalizar o acesso na região.

Embora pareça alto, o número não é irrealizável. Sebastián Cabello, diretor da GSMA Latin America lembrou que as operadoras investiram, conjuntamente, US$ 255 bilhões na América Latina apenas no ano de 2015, equivalente a 5% do PIB da região. “Espera-se que esse montante alcance US$ 315 bilhões até 2020”, reforçou.

Fran González, analista da empresa de pesquisa de mercado Analysys Mason, lembrou, porém, que a transição do mercado de voz para dados reduziu a receita das operadoras, os grandes investidores em infraestrutura. Para ele, é importante que os países renovem seus marcos regulatórios de telecomunicações, adotando leis que prevejam comunicações convergentes e regulação que leve em conta não apenas as teles, mas também as empresas de conteúdo over the top (OTT).

Se o formato das políticas públicas não foi alvo de consenso, ao menos pontos em torno das regulações foram unânimes. Os debatedores concordaram que a região precisa rever a estrutura tributária que recai o setor de telecomunicações. O pesquisador da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, Raúl Katz, lembrou que a iniciativa privada é quem deve ser a principal fiadora da conectividade, e que por isso as políticas públicas não devem se sobrepor ao espírito empreendedor. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Motorola renova linha de smartphones de entrada no Brasil
Próximos Indústria eletroeletrônica corta vagas em maio