América Latina derruba lucro da Telefónica no primeiro trimestre


A espanhola Telefónica controladora no Brasil da Telefônica Vivo, apurou lucro líquido no primeiro trimestre do ano de €776 milhões ( US$ 897,9 milhões), queda de 57% em relação ao mesmo período do ano passado. Este resultado se deve, disse a empresa, à forte desvalorização cambial na América Latina, onde a operadora tem grande presença, principalmente nos mercados do Brasil, Argentina, Colômbia e Venezuela. Também aos ganhos extraordinários de 2015 com a venda da operadora de celular O2.

continente-americano-america-do-sul-mapa

As receitas totais somaram € 10, 784 bilhões, queda de 6,6% ano contra ano. A desvalorização cambial nos países da América latina gerou impacto de 16% na evolução das receitas e de 14,8% no Ebitda (lucros antes de impostos, taxas, depreciação e amortização), impacto neutralizado em termos de geração de caixa.

Por outro lado, a incorporação da GVT e da espanhola DTS Canal + contribuíram com 5,8% na variação da receita e 4,2 pontos percentuais no Ebitda.

A dívida líquida aumentou € 292 milhões no trimestre, para € 50,21 bilhões. A relação dívida líquida/Ebitda está em 3,02 vezes. Se a operação de venda da inglesa O2 fosse aprovada (o que não deverá ocorrer) ela cairia para 2,52 vezes.

O presidente executivo da empresa, José María Álvarez-Pallete,  reiterou suas projeções para 2016, incluindo um dividendo de 0,75 euros por ação, e destacou a “clara recuperação” dos resultados na Espanha, onde as vendas tiveram expansão anual de 8,6% no trimestre até março.

Anterior Lucro com celulares da Samsung cresce 42%
Próximos Anatel acaba com o DDD em 587 cidades próximas a grandes centros

1 Comment

  1. Vagner Ornelas
    29 de Abril de 2016

    Por isso o desespero em colocar limites na internet fixa, com franquias ridículas que obrigariam os usuários a comprar pacotes extras ? A Telefônica/Vivo/Movistar fazem muita propaganda na América Latina, mas o serviço é horrível, péssimo, há anos municípios como Taboão da Serra sofrem nas mãos da Telefônica/Vivo, que se aproveita da falta de concorrência para oferecer um serviço que chamar de péssimo ainda seria elogio.