Altice, dona da PT, tenta comprar terceira maior operadora da França


Aquisição da Bouygues transformaria grupo no maior de telecom a operar no país, superando a Orange. Mas o governo francês se posiciona contra a ideia de reduzir o número de competidores no mercado local.

A onda de compras da Altice, companhia francesa do bilionário Patrick Drahi e que comprou a PT Portugal da Oi, continua. A intenção agora é de consolidar o mercado francês, formando a maior empresa de telecomunicações do país, com a fusão entre a Bouygues, terceira operadora do país, e a Numericable-SFR, segunda tele do país (pertencente à Altice). A empresa resultante seria maior em faturamento e número de clientes que a atual líder, a Orange.

O negócio deve movimentar 10 bilhões de euros. Pode incluir também acordos com a Iliad, quarta operadora do país. Neste caso, a intenção seria vender espectro e infraestrutura para que a tele menor apoie a consolidação e melhore sua posição para competir com a gigante resultante. A estratégia da Altice com isso é se antecipar às exigências do regulador francês.

Representantes do governo francês já se posicionaram hoje ,22,contra a ideia de reduzir o número de competidores no mercado local de telecomunicações. O movimento reduziria o número de interessados no próximo leilão de espectro 4G, com o qual esperam levantar 2,5 bilhões de euros, até o final deste ano.

A Bouygues Telecom se disse surpresa e negou conversas prévias com a Altice. Afirma, porém, que o conselho da empresa se reúne nesta terça-feira, 23, para debater a proposta. O valor proposto é mais que o dobro da oferta feita em 2014 pela Iliad pela companhia, e mais do que valem os papéis na bolsa local. Ano passado, também a Orange estudava comprar a Bouygues.

De acordo com o jornal britânico Financial Times, até a Orange apoiaria a fusão, oferecendo aos reguladores a contratação de parte dos funcionários da Bouygues. A atitude dependeria, porém, de contrapartidas, não sinalizadas, por parte da Altice. (Com agências internacionais)

Anterior Alessandro Quattrini: Mais espectro para a banda larga móvel em debate na UIT
Próximos China cria fundo para universalizar banda larga rural