Algar Telecom monta centro de inovação digital


da esquerda para a direita: Jean Carlos Borges, presidente da Algar Telecom, Osvaldo Carrijo, disruptive salesman do Brain, e Luiz Alexandre Garcia, CEO do grupo Algar.
da esquerda para a direita: Jean Carlos Borges, presidente da Algar Telecom, Osvaldo Carrijo, disruptive salesman do Brain, e Luiz Alexandre Garcia, CEO do grupo Algar.

A Algar Telecom inaugurou nesta semana seu Centro de Inovação Digital da Algar Telecom, batizado de Brain. O local será usado para a criação de novos produtos e modelos de negócio. Localizado em Uberlândia (MG), a companhia quer fazer da inauguração um marco da transformação de seu modelo operacional.

A partir do centro, a empresa pretende ampliar os investimentos em quatro ramos: internet das coisas (IoT), cyber security, cloud (SaaS) e digital. “Já temos quatro projetos em andamento no Brain. Por enquanto, a prioridade é o desenvolvimento de soluções de Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC, voltadas para o segmento B2B”, afirma o Disruptive Salesman, Osvaldo Carrijo. “Porém, nossa meta é ultrapassar fronteiras e atuar com inovação em outras indústrias”, complementa.

Metodologia de trabalho

Neste primeiro momento, os projetos, que serão selecionados por um Comitê Executivo, visam pavimentar algumas tecnologias para dar robustez ao trabalho e possibilitar ações mais inovadoras no futuro. “Não podemos pensar em IoT, por exemplo, sem levar em consideração a segurança”, explica.

Os novos produtos e negócios serão desenvolvidos em parcerias com outras empresas, universidades e organizações. “Entendemos que esse é um caminho promissor, que proporciona vantagem competitiva para ambas as partes”, ressalta o executivo.

A opção por atuar com foco no B2B não é por acaso. Desde 2015, a Algar Telecom investe na expansão geográfica de sua operação neste segmento, em cidades das regiões centro-oeste, sudeste e sul. Como resultado, vem crescendo fora de sua área de concessão.

O trabalho será realizado utilizando a metodologia ágile, denominada scrum, cujos pilares são transparência, inspeção e adaptação. Profissionais multidisciplinares formarão os chamados squads, que terão duração de 4 a 6 meses. Esse formato permite um desenvolvimento mais dinâmico e focado, com entregas rápidas.

Os funcionários vão se desvencilhar totalmente das suas atividades do dia a dia para se dedicarem exclusivamente ao projeto. O objetivo é que esse método seja difundido em todas as áreas da Algar Telecom. “O Brain vai subsidiar a mudança de toda estrutura de organização”, enfatiza Carrijo. (Com assessoria de imprensa)

 

Anterior Começa instalação de cabo que liga Angola-Brasil
Próximos Sem proteção cambial, prejuízo da Oi aumenta para R$ 3,3 bi no segundo tri

1 Comment

  1. Maurício
    10 de agosto de 2017

    Essa empresa é ridícula.
    Vive de propaganda e de mídia porque o serviço é péssimo !!!!!!!