Algar registra queda no lucro no segundo trimestre


A Algar Telecom fechou o segundo trimestre com receita bruta de R$ 627,3 milhões, crescimento de R$ 49,4 milhões, ou 8,6% em relação ao 2T12. Os destaques do período foram o aumento de 24,3% na receita de dados com clientes corporativos da área de autorização, de 20,4% nos serviços de banda larga, de 9,9% no negócio de telefonia móvel e de 38,7% nas receitas de TV. O EBITDA consolidado da Algar Telecom atingiu R$ 123,0 milhões, incremento de 13,4% em relação aos R$ 108,5 milhões registrados no 2T12. A margem EBITDA alcançou 25%, ante 24% no mesmo período do ano anterior.

Apesar do bom desempenho em termos de receita, o lucro líquido consolidado no período somou R$ 33,4 milhões no 2T13, ante R$ 36,9 milhões registrados no 2T12, decréscimo de 9,5%. A companhia justificou que a queda do lucro líquido, a despeito do bom resultado operacional porque as “despesas financeiras líquidas sofreram o impacto do alongamento da dívida, efetuado no 4T12 com a 2ª emissão de debêntures”. A companhia também suspendeu a constituição de imposto de renda diferido sobre adições temporárias no CNPJ CTBC Celular. A margem líquida do trimestre foi de 6,9%.

Ao final do trimestre, a receita total da Companhia era assim distribuída: negócio fixo (64%), negócio móvel (13%), tecnologia de processos de negócios (17%) e negócios complementares (6%).

Ao final do 2T13, a Algar Telecom adicionou 375 mil unidades geradoras de receitas (UGR), registrando cerca de 2,5 milhões de unidades em seu segmento de telecom, uma evolução de 17,4% em relação ao 2T12. A Companhia encerrou o trimestre com 449 mil acessos, um aumento de 18,5% em relação ao 2T12, estimulado tanto pelo crescimento da base de banda larga fixa quanto móvel. A banda larga fixa (ADSL) evoluiu 12,4% em virtude principalmente dos pacotes com planos de internet Ultra Banda Larga, de até 100 Mbps. Na tecnologia 3G, importante complemento de oferta, o incremento foi de 49,4%, passando de 62 mil para 93 mil acessos.

No 2T13, o número de clientes de TV por Assinatura totalizou 127 mil, um crescimento de 21,0% se comparado ao 2T12, impulsionado pela oferta de pacotes.  

A Companhia registrou 1,140 milhão de linhas fixas no final do trimestre, acréscimo de 13,4% em relação ao registrado no 2T12. Este resultado foi impulsionado tanto pela área de concessão quanto pela autorização. Na concessão, o número de linhas passou de 733 mil para 787 mil, alta de 7,3% estimulada pelos pacotes. Na área de autorização, a conquista de clientes corporativos nas cidades em torno do backbone possibilitou o aumento de 29,8% no número de terminais, totalizando 353 mil ao final do trimestre.

A base de clientes de telefonia móvel somou 822 mil no 2T13, superando em 22,2% o registrado no mesmo trimestre do ano anterior.
Esse desempenho, explicou a CTBC, é reflexo das novas campanhas e pacotes mais competitivos ofertados pela Companhia desde o início do ano, principalmente para o segmento pré-pago. O número de clientes pré-pagos cresceu 30,7%, passando de 464 mil no 2T12 para 607 mil no 2T13.

A receita média por usuário (ARPU) do 2T13 foi de R$ 26,61, ante R$ 30,84 no 2T12. Esta diminuição foi decorrente da queda das tarifas de interconexão com terminação móvel (VU-M), ocorrida em abril de 2013. (Da redação)

 

 

 

 

Anterior Oi decide relançar R$ 1,2 bi em debêntures, mas sob a forma simplificada.
Próximos Oi registra prejuízo de R$ 124 milhões no segundo trimestre