Alerta: a 5G pode se fragmentar


Los Angeles* – O término da MWC de Los Angeles, que, segundo os organizadores, contou com a presença de 22 mil participantes de 100 diferentes países, deixou um alerta para o setor, países, consumidores e desenvolvedores de tecnologia: a 5G pode se fragmentar.

O risco foi apontado pelo chairman da GSMA, Stéphane Richard, logo na abertura do evento. “Há o risco de se perder a confiança na cadeia de valor de fornecimento da indústria”, disse ele.

Em sua avaliação a indústria de TIC e de telefonia móvel em particular conseguiram, nos últimos anos, manter os padrões tecnológicos da 3G, 4G e 5G com a competição global em todos os níveis – de chips a devices. Mas a economia de escala está sendo ameaçada pela fragmentação. Ele não disse, mas essa fragmentação pode estilhaçar a internet e levar ao isolamento digital entre países.

Obviamente, o chairman da entidade que congrega todos os fabricantes e operadoras de telefonia móvel do planeta estava se referindo à disputa comercial Estados Unidos e China.

E há mesmo o risco de se criarem, a partir de agora, novos padrões para a 5G e suas sucessoras. As restrições ao acesso a chips fabricados na China parece ser uma nova tendência, além da disputa explícita do governo norte-americano com a fabricante Huawei, que por sinal já está presente em mais de um terço das redes das operadoras de telecomunicações do mundo.

Analistas presentes ao evento entendem, por exemplo, que a virtualização da rede de telecomunicações vai ser a principal aposta dos Estados Unidos para recuperar o tempo perdido no setor de infraestrutura de telecomunicações e, por isso, criará barreiras para desacelerar a China.

Os padrões

Embora o chairman da GSMA tenha dito que a indústria móvel conseguiu atingir os números tão portentosos (mais de 7 bilhões de usuários, mais de US$ 2,3 trilhões de investimentos em 20 anos)  devido à padronização de sua tecnologia, não é bem assim. Quem é do setor se lembra da disputa entre os padrões TDMA, CDMA, depois, o ingresso do padrão GSM, que acabou prevalecendo por ser mais barato.

Ricardo Tavares, da consultoria TechPolis, assinala que a padronização do celular se consolidou com a 4G, quando, em sua avaliação, o setor decidiu fortalecer a 3GPP, uma associação público privada que envolveu empresas de todo o mundo. Essa associação criou o padrão 4G, adotado pela UIT (União Internacional de  Telecomunicações) e passou a criar também todos os releases (ou versões) da 5G.

Tavares assinala que os Estados Unidos já estão questionando essa associação. E citou o dirigente da FCC, Michael O’Reilly, que falando na Cúpula do Brooklyn 5G em abril passado, acusou a indústria chinesa de tentar “usar organizações internacionais de múltiplas partes interessadas para distorcer os padrões a seu favor”.

O Brasil

Guerra de padrões encarecem todos os produtos, para todos. Esse é o primeiro impacto concreto de uma fragmentação nessa indústria. Para países consumidores de tecnologia, como o Brasil, essa pode ser uma péssima notícia, até porque a nossa balança comercial setorial é bilhões de dólares desfavorável a nós.

E aí é que nos faz pensar. Por que não podemos estar no grupo que desenvolve tecnologia e disputa por seus padrões?

*A jornalista viajou a convite do MWC

Anterior WarnerMedia espera mudança na Lei do SeAC para assumir controle total da HBO no Brasil
Próximos Publicada regra que isenta taxa da homologação de produtos na Anatel

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *