Alcatel-Lucent não está à venda, ou sendo fatiada, afirma chefe da área de enterprise no Brasil


O futuro da Alcatel-Lucent, que em 2012 perdeu 1,2 bilhão de euros, tem sido alvo de diversas especulações. Em junho, a companhia apresentou um plano de recuperação do negócio e anunciou a demissão de 10 mil funcionários, além de admitir a venda de ativos não-core para retomar o rumo da rentabilidade. O movimento de reposicionamento da companhia francesa, porém, não pode ser confundido com seu fatiamento, venda ou falência, defendeu nesta terça-feira (3) o gerente geral da Alcatel-Lucent Enterprise para o Brasil, Nuno Ribas. 

“Não existe nada em relação a venda ou fechamento. Não há desabastecimento. Este ano meu time cresceu, temos planejamento de portfólio para seis anos”, declarou. Ribas lembrou que a divisão Enterprise, a que dirige no Brasil, é rentável e que a maioria das mudanças de foco devem ocorrer na divisão de operadoras.

O ano de 2013 para o setor de tecnologia da informação e comunicação não foi o esperado. As empresas e o governo seguraram investimentos, alega o executivo, mas o ano de 2014 deve começar com um primeiro trimestre forte, aposta o executivo. Segundo ele, diversos contratos estão em negociação este ano e a expectiva é por uma definição no ano que vem. O planejamento da companhia para o próximo ano também inclui a ampliação de canais. 

Soluções como serviço 
Uma das apostas da área de Enterprise da Alcatel-Lucent é a oferta de soluções de comunicação unificada como serviço, ou seja, hospedadas na nuvem e acessadas via rede. Entre as novidades, a companhia negocia com operadoras de núvem, sejam elas teles ou não, um modelo de oferta do OpenTouch Enterprise Cloud (OTEC) em parceria. “Posso deixar um banco de licenças para o provedor e cobrar apenas pelas licenças ativas. É algo flexível que permite a operadora ser cobrada em Opex e o cliente ser cobrado em Opex”, afirma Marcos Silva, gerente de soluções de comunicação da Alcatel-Lucent Enterprise na América Latina. Segundo Silva, a oferta do OTEC segue em negociações avançadas com dois clientes no Brasil, com uma operadora no Chile, uma na Argentina e uma no México.

Para alcançar as pequenas e médias empresas a Alcatel-Lucent trouxe ao país o OpenTouch Personal Cloud, que oferece comunicações unificadas, soluções de conferência, colaboração, compartilhamento de vídeos e conteúdo multimídia, ferramentas de interação e de mídias sociais corporativas utilizando cloud computing e com infraestrutura entregue como serviço. A solução está instalada nos Data Centers da francesa no país sede e nos Estados Unidos e será acessada por links de rede privada. 

Também vontada para o segmento PME, a Alcatel-Lucent planeja o lançamento, no primeiro trimestre de 2014, a solução de comunicação como serviço (CaaS), baseada no OpenTouch Office Cloud. 

Networking
No segmento de networking, a Alcatel-Lucent anunciou hoje o lançamento de seus novos pontos de acesso (APs) para o mercado corporativo, as soluções OmniAccess 224 e 225. Os equipamentos utilizam o padrão 802.11ac, que atingem velocidade de até 1,3 Gbps, operando na frequência de 5 GHz. 

 

Anterior TIM afirma que Telefónica não pode dar o segundo passo na Telco.
Próximos Telebras vai rever investimentos para redes metropolitanas