Alcatel-Lucent informam sobre a fusão


Após o anúncio feito em 2 de abril, as duas empresas divulgaram ontem, 10, os principais passos dados rumo à integração, e confirmam que, de seis a 12 meses o processo estará concluído. A nova empresa atuará nos mercados de operadoras, empresas e serviços, com foco em soluções de ponta a ponta. Os negócios serão …

Após o anúncio feito em 2 de abril, as duas empresas divulgaram ontem, 10, os principais passos dados rumo à integração, e confirmam que, de seis a 12 meses o processo estará concluído. A nova empresa atuará nos mercados de operadoras, empresas e serviços, com foco em soluções de ponta a ponta. Os negócios serão segmentados em grupos estruturados de acordo com as necessidades desses três segmentos. Além disso, uma organização regional descentralizada dará suporte local aos clientes.

Os grupos de negócios para operadoras, liderados por Etienne Fouques, incluem as áreas móvel, dirigida por Mary Chan; fixa, chefiada por Michel Rahier; de convergência, que terá à frente Marc Rouanne. O grupo de negócios para empresas será comandado por Hubert de Pesquidoux. O de serviços, por John Meyer. A divisão das regiões geográficas dos negócios e seus respectivos responsáveis são: Europa e Norte, Vince Molinaro; Europa e Sul, Olivier Picard; América do Norte, Cindy Christy; Ásia-Pacífico, Frederic Rose.

O comitê executivo será chefiado por Pat Russo, presidente (CEO). Seus demais membros serão Etienne Fouques, vice-presidente executivo sênior da unidade de negócios para operadoras; Frank D’Amelio, vice-presidente executivo sênior de integração e administração (Chief Administration Officer); Jean-Pascal Beaufret, responsável por finanças (Chief Financial Officer); Claire Pedini, vice-presidente sênior de Recursos Humanos e Comunicação; e Mike Quigley, que se dedicará ao direcionamento estratégico da empresa e será presidente de tecnologia e estratégia.

Sinergias

Christian Reinaudo, que comanda a integração na Alcatel,confia na capacidade de atingir, como previsto, sinergias de custos anuais (antes dos impostos) de 1,4 bilhão de euros (US$ 1,7 bilhão), em três anos. Ele espera que cerca de 70% desse montante sejam alcançados nos primeiros dois anos após a conclusão da fusão. De seu lado, Janet Davidson, responsável pela integração na Lucent, menciona o potencial de economias com o corte de cerca de 9 mil funcionários.

A nova empresa espera que aproximadamente 30% das sinergias sejam obtidas dos custos dos produtos vendidos, e 70% de despesas operacionais. Além disso conta com redução de despesas da ordem de 55% via redução da força de trabalho. Conta, também, que uma melhor utilização dos imóveis e a eliminação de excesso de espaço possa se traduzir em corte de 100 milhões de euros (US$ 122 milhões) ao final do terceiro ano.

No tocante à cadeia de fornecimento e compras, concluída a fusão, as compras externas anuais são estimadas em 8,7 bilhões de euros (US$ 10,6 bilhões). As economias obtidas na compra de componentes, custos indiretos, fornecimento para projetos e relacionamento com fabricantes terceirizados devem chegar, no mínimo, em 3% daquelas compras. Isso deve representar algo como 250 milhões de euros (US$ 305 milhões) ao final do terceiro ano.
Os planos de racionalização e migração podem gerar sinergias de custos de cerca de 400 milhões de euros (US$ 488 milhões).

(Fonte: assessoria de imprensa, Alcatel)

Anterior Alcatel: receita cresce 7,5% no 2º trimestre.
Próximos Sai a nova tarifa de rede local, sem modulação horária.