Alcatel Lucent inaugura laboratório para rede de transporte IP no país


A Alcatel-Lucent instalou, na unidade brasileira, um laboratório para testes na rede de transporte IP e, até o final do ano, inaugura a unidade para testes de roteamento IP. O laboratório utiliza equipamentos com a tecnologia DWDM e o switch OTN 1830. Este servidor é considerado a peça central do portfólio de transporte óptico da empresa, sendo capaz de transmitir uma combinação de taxas de 40G e 100G em diferentes comprimentos de onda de uma fibra óptica. “Conseguimos criar em laboratório a situação de uma rede real e num enlace, com uma fibra de 100G, é possível transmitir, por exemplo, 12.500 vídeos em alta definição”, explicou Alessandro Nascimento, gerente do EBC (Executive Briefing Center), onde está o novo laboratório, na sede da empresa em São Paulo.

De acordo com Javier Rodriguez Falcon, presidente da subsidiária brasileira, foram investidos, na primeira etapa (laboratório de transportes) US$ 4 milhões. A instalação do laboratório de transporte e roteamento IP faz parte do plano de mudança da empresa, anunciado em junho do ano passado, para focar em produtos de rede e banda larga de alta velocidade. “A parte de IP router no Brasil é a mais importante para a empresa e, na área de transportes, é onde está havendo o maior crescimento”, comentou Falcon, na coletiva de imprensa realizada hoje para anunciar a implantação do laboratório, que atenderá também os países na América Latina.

Com a tecnologia de multiplexação (DWDM) combinada ao servidor OTN, o laboratório permitirá que uma operadora simule qualquer uma das etapas de sua rede, começando na pré-operação, na operação monitorada e na implementação. “Estamos começando a implantar a switch OTN 1830 em três operadoras no Brasil”, informou Falcon, sem informar nomes. Fora, as operadoras Orion, Telekom Austria, Telecom Italia e a Alestra (México) já anunciaram testes com a solução de 400G da empresa.

Reforço para a Copa

O presidente da Alcatel-Lucent Brasil também informou que a empresa está trazendo, de outros países, especialistas em rede de transporte e em roteadores para dar suporte às operadoras durante os jogos da Copa. Falcon acredita que na parte de core da rede as operadoras brasileiras estão melhor preparadas, mas a parte de acesso “está mais problemática”.

 

Anterior Governo amplia lista de bens incentivados para fabricação de chips no Brasil
Próximos Paulo Bernardo diz que em seis estádios da Copa faltará antena de WiFi