Alcatel-Lucent espera bons negócios na América Latina


Com uma participação de 7% no faturamento da Alcatel-Lucent em 2008, que foi de € 17 bilhões globalmente, os países da América Latina tiveram, no ano passado, crescimento de 14%, e os negócios no último trimestre do ano foram bastante aquecidos, apesar da crise econômica mundial. A receita líquida na região foi de US$ 1,8 …

Com uma participação de 7% no faturamento da Alcatel-Lucent em 2008, que foi de € 17 bilhões globalmente, os países da América Latina tiveram, no ano passado, crescimento de 14%, e os negócios no último trimestre do ano foram bastante aquecidos, apesar da crise econômica mundial. A receita líquida na região foi de US$ 1,8 bilhão, 40% gerados no Brasil. Com esse bom desempenho e a expectativa de que a região não seja tão afetada pela crise quanto Europa e Estados Unidos, o presidente da Alcatel-Lucent América Latina, Victor Agnellini, espera que os negócios se mantenham na região. “Enquanto globalmente estimamos uma queda de 8% a 12% nas receitas da companhia este ano, comparativamente a 2008, na América Latina nossa expectativa é de crescimento zero”, comentou Agnellini, em encontro com jornalistas no Alcatel-Lucent Enterprise Forum 2009, que se realiza em Paris, na França.

“Nossa expectativa é de que, na primeira metade do ano, os negócios sigam devagar, porque os clientes estão ainda observando o cenário econômico, mas na segunda metade tendem a ser melhor”, avaliou o executivo. Nesse cenário, observou Agnellini, o mercado fica mais difícil e os parceiros são testados. Para superar as dificuldades, ele diz que aposta na qualificação dos profissionais em cada país da região. “Temos talentos locais, que conhecem a dinâmica do mercado e o marco regulatório e isso nos ajuda com os clientes”, destacou.

O diretor da divisão de Enterprise para América Latina, Héctor Sánchez, acrescentou que a companhia aposta principalmente nas aplicações e citou como exemplo uma experiência que a Alcatel-Lucent tem implementada no Brasil, no Instituto do Câncer, que conta com uma estrutura de TI totalmente sem-fio e, permite, por exemplo, que todos os exames com imagem realizados à beira do leito, como utrassonografia, raio X, eletrocardiograma, entre outros, sejam transmitidos para os computadores centrais. O acesso dos médicos aos dados e imagens é feito por um tablet PC WiFi desenvolvido especialmente para a área de saúde.

Além da área de saúde, a Alcatel-Lucent aposta em aplicações para segurança pública, transporte e energia. “São as áreas que mais tem demandado, tanto em soluções para negócios inovadores quanto em infraestrutura”, explicou Sánchez.

* A jornalista viajou a convite da Alcatel-Lucent

Anterior Novo diretor financeiro na Hughes
Próximos Solemar Andrade assume a presidência da AeC