Alagoas terá fábrica de cabos ópticos


Uma joint-venture entre a distribuidora Solverde e a fabricante chinesa ZTT, firmada em meados do ano passado, resultará em uma fábrica de cabos ópticos nas Alagoas. A planta está prevista para ser concluída ainda este ano, após investimentos da ordem de US$ 15 milhões, e deve iniciar a operação já em janeiro de 2015.

A fábrica está localizada na cidade de Marechal Deodoro (AL), a 28 km da capital, Maceió. Deve empregar cerca de 80 pessoas, estima o presidente da ZTT Brasil, Alexandre Prioste, que veio da Solverde. Será capaz de produzir todos os tipos de cabos ópticos usados hoje no mercado nacional de telecomunicações, além dos cabos OPGW, usados também do setor de energia.

O executivo conta que a fábrica já surge com demanda para atender. “Temos confirmações de contrato com três das quatro grandes operadoras do país”, diz o executivo. Quais, exatamente, ele não conta, até porque os contratos ainda precisam da assinatura final.

A perspectiva é ampliar a planta em dois anos, incorporando uma unidade de fabril de fibra óptica e outra de cabos de alumínio. A empresa também espera criar um centro de pesquisa e desenvolvimento na região até o final de 2016. Menos da metade do valor investido no projeto foi financiado pelo BNDES, através do Banco do Nordeste.

Segundo Prioste, a meta é produzir cabos, já homologados na Anatel, com a mesma qualidade que as unidades chinesas da ZTT produzem. A expectativa é que os ajustes finos para isso não demorem mais que 45 dias. No mundo, a ZTT da China possui 7 mil funcionários, 33 fábricas, atua em 106 países, com faturamento total de US$ 2,4 bilhões. No mundo, figura entre as principais fabricantes de cabos submarinos. A ZTT do Brasil é formada por investimentos iguais da Solverde e da ZTT. Já deve fechar este ano com faturamento de R$ 40 milhões.

A escolha para investir na região Nordeste veio da saturação da região sul. “A gente sente que os grandes centros são bastante complexos, congestionados para a indústria”, diz. A sede adminsitrativa da empresa fica em São José dos Campos (SP). Também pesaram para a escolha a proximidade com o porto do Recife (PE) e intenção de gerar empregos na área. “O porto é importante para importação de parte dos insumos, exportação, próximo da Europa e da região andina, passando pelo canal do panamá. É um diferencial competitivo. A região de São Paulo tem custos bastante elevados”, resume.

Anterior Telecom Italia confirma venda da Telecom Argentina
Próximos Linktel vai instalar e operar wi-fi em 60 aeroportos brasileiros