Agência só vai discutir portabilidade numérica em 2007


A determinação para que as operadoras fixas e móveis comecem a preparar suas redes para ofertar portabilidade numérica a seus clientes só deverá ser dada pela Anatel no ano que vem. O assunto não está na pauta da última reunião de 2006 do conselho diretor da agência, que acontece na próxima segunda-feira, 11. Assim como …

A determinação para que as operadoras fixas e móveis comecem a preparar suas redes para ofertar portabilidade numérica a seus clientes só deverá ser dada pela Anatel no ano que vem. O assunto não está na pauta da última reunião de 2006 do conselho diretor da agência, que acontece na próxima segunda-feira, 11.

Assim como ficou de fora da lista de assuntos, o pedido da Telefônica de obter autorização para operar TV paga via satélite (DTH), embora ontem o presidente do grupo, Fernando Xavier, tenha se mostrado bastante otimista com a aprovação da Anatel. Terá que aguardar mais um pouco.

Mas os diretores do órgão regulador já haviam sinalizado anteriormente que as questões envolvendo a entrada das concessionárias no mercado de TV paga só seriam resolvidas em 2007, entre elas a compra da Way Brasil pela Telemar.

3G e licitação

Apesar de a portabilidade ter ficado de fora, o serviço celular será o tema central da reunião do conselho. Será discutida a proposta de regulamento sobre o uso das faixas de freqüência de 800 MHz, 900 MHz, 1.800 MHz, 1.900 MHz e 2.100 MHz. Parte dessas faixas (entre 1.900 MHZ e 2.100 HMZ) será destinada à terceira geração da telefonia celular e uma outra parte (que vai de 1.895 a 1.900 MHz) interessa particularmente à Vivo, que precisa de mais espectro de frequência para ampliar sua cobertura.

O conselho também debaterá a consulta pública do edital de licitação para vender as freqüências restantes da segunda geração do celular. Entre essas frequências estariam as sobras de leilões passados, inclusive a quarta licença para a entrada de um novo operador móvel em São Paulo.

Da Redação

Anterior Sonaecom ganha mais um round na disputa pela Portugal Telecom
Próximos Governo pode arrecadar US$ 1 bilhão com licitação da 3G, estima a Qualcomm do Brasil.