AES unifica operação de suas empresas de telecom e amplia atuação


As unidades de telecom da empresa de energia AES, que operam desde 1998 nos mercados do Rio e São Paulo, por meio de duas diferentes companhias, passam a operar com uma única marca, a AES Atimus. A nova empresa, anunciada hoje por Teresa Vernaglia, que já respondia pela diretoria geral da AES Com Rio e AES Eletropaulo Telecom e permanece no comando da nova empersa, vai aproveitar as sinergias para expandir os negócios. Além da venda de capacidade para operadoras fixas e móveis, irá ampliar a oferta para o mercado corporativo, com produtos tanto para as grandes empresas como para as menores, além de ampliar os serviços para clientes residenciais. “Dizem que não se mexe em time que está ganhando, mas não concordo com isso. Com as tendências de convergência, surge um novo cenário e a AES Atimus quer se inserir nesse novo momento do mercado”, comentou Teresa.

Com 5,5 mil quilômetros, a rede de fibras ópticas no Rio e em São Paulo atende a 21 municípios – no início de 2011 cobrirá mais três cidades, não reveladas – e terá a capacidade de transmissão aumentada. “A empresa quer se reinventar e ter como diferencial a rapidez na entrega do serviço. E não seremos mais uma carrier das carriers, mas um provedor de infraestrutura de alta performance”, informou a executiva. No mercado corporativo, a meta é atender também empresas de menor porte, porém, a venda mínima de capacidade é 2 Mega. No mercado residencial, o objetivo é ofertar banda larga mas, neste caso, o serviço será por meio de uma operadora – a empresa já tem parceria com a Intelig, que usa sua rede para o serviço de banda larga mas o projeto ainda é piloto.

Os investimentos para expansão da rede (mais mil km em 2011) e aumento da capilaridade somam R$ 400 milhões até 2015. Já para 2011 a previsão é aumentar em 20% o faturamento das empresas que foi de R$ 203 milhões em 2009 (o desempenho de  2010 ainda não foi divulgado mas deve manter a média de crescimento de dois dígitos verificada nos últimos anos).

Anterior Ações de política industrial são destaques no 3º Forum Brasil Conectado
Próximos Custo de equipamentos inviabiliza PLC, diz AES Atimus.