AdstreamSamba oferta logística digital para mercado publicitário


A AdstreamSamba, empresa resultante da joint venture entre a brasileira Samba Tech e a multinacional de origem australiana Adstream, inicia oficialmente a sua operação de logística digital para o mercado publicitário brasileiro, envolvendo agências, produtoras e veículos de comunicação (principalmente emissoras de TV). A empresa conta com aparelhos e tecnologia internacional para transmissão digital de …

A AdstreamSamba, empresa resultante da joint venture entre a brasileira Samba Tech e a multinacional de origem australiana Adstream, inicia oficialmente a sua operação de logística digital para o mercado publicitário brasileiro, envolvendo agências, produtoras e veículos de comunicação (principalmente emissoras de TV). A empresa conta com aparelhos e tecnologia internacional para transmissão digital de qualquer conteúdo, especialmente filmes publicitários, e torna simples, rápido e online o processo de envio de filmes comerciais que acontece entre produtoras, agências e canais de TV. A AdstreamSamba já tem seu sistema integrado às principais emissoras do Brasil, como TV Globo, TV Gazeta, TV Cultura, MTV, Sony, Turner, Discovery, Fox, Viacom e Disney.

A eficiência e economia de escala proporcionada pelo sistema da AdstreamSamba já foi testada e aprovada por diversas agências e produtoras, que utilizaram a “degustação” gratuita do serviço, oferta que terminou nesta segunda-feira (30). “Várias agências, produtoras e canais de televisão já utilizam a transmissão de conteúdo publicitário pelo nosso sistema. Estamos dando início a um importante movimento no mercado, que certamente traz ainda mais benefícios à indústria da publicidade”, afirma Celso Vergeiro, CEO da AdstreamSamba. Ele conta que, em curto prazo, a previsão é de que empresa esteja distribuindo mais de 300 filmes publicitários por mês para emissoras de TV.(Da redação, com assessoria de imprensa)

Anterior NET descarta integração de marca com Claro
Próximos Brasil deverá abrigar a sede operacional da Telefónica Latinoamérica