A Claro e a TIM anunciam parceria para compartilhamento de infraestrutura em forma de roaming, que garantirá a conectividade aos seus usuários em mais de 700 novos municípios, onde, anteriormente, havia apenas uma das operadoras.

Com este acordo, Claro e TIM expandem o acesso à rede de telecomunicações, melhorando a experiência de uso do serviço de telefonia móvel dos seus mais de 116 milhões de usuários do país e otimizando ainda o uso eficiente da infraestrutura e permitindo o investimento em outras frentes em Telecomunicações.

A negociação prevê o uso da estrutura 3G nos municípios contemplados desde o início do mês de julho e a prestação do serviço será transparente, não exigindo qualquer ação prévia por parte dos clientes seguindo a mecânica da oferta/plano de serviço já contratada.

Onde ocorre

Embora o mercado brasileiro de telecomunicações seja um dos  mais competitivos do mundo (conforme estudos da Anatel), essa acirrada competição não alcança os milhares de municípios com menos de 30 mil habitantes, que são atendidos apenas por uma única operadora.

A presença de uma única empresa foi a forma de a Anatel, à época da venda da frequência de 3G, obrigar a cobertura do celular em todas as cidades brasileiras e ao mesmo tempo garantir arrecadação para o Estado. Cada operadora que comprou o espectro ficou com algumas centenas de cidades para atender, como obrigação.

Acontece que as empresas poderiam fazer acordo de roaming para permitir que os seus clientes falassem livremente nessas cidades. Só que esses acordos não estavam se concretizando. No início deste ano, o conselheiro Leonardo de Morais, resolveu cuidar dessa questão e convocou as empresas, para que elas concretizassem esses acordos, caso contrário, a Anatel iria transformar em  mais uma obrigação.

Esse acordo anunciado hoje, 09, entre Claro e TIM demonstra que é possível soluções de mercado, sem a necessidade de constante intervenção da agência reguladora. (com assessoria de imprensa).