Abinee: tráfego de dados deve puxar investimentos em 2009.


A área de telecomunicações teve um bom desempenho em 2008 e registrou crescimento de 21% em relação a 2007, na avaliação da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), que anunciou hoje seu balanço anual. A associação esclareceu, no entanto, que o volume de negócios em 2007 foi muito baixo nos primeiros três trimestres …

A área de telecomunicações teve um bom desempenho em 2008 e registrou crescimento de 21% em relação a 2007, na avaliação da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), que anunciou hoje seu balanço anual. A associação esclareceu, no entanto, que o volume de negócios em 2007 foi muito baixo nos primeiros três trimestres do ano e, só no quarto trimestre, teve forte aquecimento (o segmento fechou o ano com receitas de R$ 17,4 bilhões), que se manteve no decorrer de 2008. O faturamento da indústria de telecom estimado para este ano é de R$ 21,1 bilhões.

Os principais fatores que impulsionaram os negócios foram as redes 3G das operadoras móveis, a expansão de infra-estrutura para acessos em banda larga e de redes IP, e os investimentos em sistemas para a implantação da portabilidade numérica. Para 2009, as previsões são positivas e o setor não deve ser afetado pela crise econômica mundial, de acordo com avaliação dos diretores da Abinee.

No primeiro trimestre de 2009 deve ser finalizada a primeira parte das redes 3G e, com isso, o tráfego de dados nas redes celulares deve aumentar, gerando uma pressão nas redes IP das operadoras celulares, o que deve demandar investimentos para aumentar a capacidade do backbone”, avalia Paulo Castelo Branco, diretor da Abinee para a área de telecom. A indústria também torce para que se realize no início de 2009 o leilão das faixas de freqüência de 3,5 GHz e das sobras da 2,5 GHz. “São duas faixas importantes para a mobilidade, seja tecnologia WiMAX ou LTE”, destacou Castelo Branco.

Apesar das expectativas com o WiMAX, o diretor da Abinee disse que é muito difícil os fabricantes investirem na produção local de equipamentos WiMAX, como CPEs. O problema, segundo ele, é o timing em que as coisas acontecem, particularmente nas decisões regulatórias. “Se o Brasil entra tarde na tecnologia, perde o timing na produção local”, explicou.

Celulares

As vendas de telefones celulares mantiveram crescimento e a expectativa da Abinee é de que 2008 feche com uma produção de 76 milhões de unidades, um incremento de 12% em relação aos 68 milhões de aparelhos produzidos em 2007. A Abinee estima que, do total de aparelhos celulares, 50 milhões são vendas no mercado interno, um incremento de 11% (para 27 milhões de linhas novas instaladas) e 26 milhões exportados (incremento de 13%). O destino das exportações continuou concentrado nas Américas e os celulares continuam sendo os produtos mais exportados. O setor, no entanto, importou neste ano 6 milhões de aparelhos high-end.

PCs e notebooks

Para computadores pessoais, a estimativa é de que sejam vendidos neste ano cerca de 12 milhões de unidades, o que representa crescimento de 20% em relação a 2007. Do total, 7,5 milhões são PCs e 4,5 milhões notebooks. O diretor da área de informática da Abinee, Hugo Valério, acredita que o setor continuará crescendo em 2009, a despeito da crise. “Não terá um crescimento como no ano passado, mas projetamos um aumento de 14% para o setor em 2009”, informou.

Anterior Net ganha permissão para incorporar empresas adquiridas
Próximos BrT inicia operação comercial de Metro Ethernet