Abinee propõe compartilhamento de riscos em inovação


Na visão do presidente da Abinee, Humberto Barbato, para enfrentar problemas com insegurança jurídica, pesada carga tributária, câmbio desajustado e outros fatores do Custo Brasil, as empresas precisam do apoio efetivo do governo para alavancar a inovação no país. “Nos países bem sucedidos nesta área, o compartilhamento de riscos é fator essencial. Principalmente, nos países do leste asiático que já se tornaram exemplos”, afirmou Barbato, ao participar do 3º Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica, que reuniu empresários do setor eletroeletrônico e representantes de órgãos governamentais para debater a questão da inovação no país.

O evento abordou temas como fomento à inovação – subvenção e apoio tecnológico; compartilhamento de riscos na inovação; e políticas públicas – compras governamentais e incentivos à inovação. 

Segundo Barbato, o Brasil deve utilizar as compras públicas neste sentido. Citando o embaixador do Brasil para o Mercosul, Regis Arslanian, que classificou as demandas do governo como a verdadeira jóia da rainha, Barbato afirmou: “não podemos guardar estas jóias em um cofre, inviabilizando o acesso por parte das empresas instaladas no país.” Ele destacou, ainda, a oportunidade da indústria dialogar com o governo temas que preocupam as empresas. “Nosso objetivo é angariar subsídios para que possamos desenvolver ações pertinentes junto aos ministérios e entidades públicas, visando uma maior competitividade da nossa indústria, evitando, assim, o agravamento do processo de desindustrialização em vigor hoje no Brasil”, observou. (Da redação, com assessoria de imprensa)

Anterior Primeira Turma do STF divulga pauta de julgamento pela internet
Próximos Minicom lança consulta pública com novas regras para rádio e TV educativas