Abinee: importação de smartphone cresce 35% em um mês


O déficit da balança comercial de produtos finais de telecomunicações continua se ampliando. Se o Brasil sempre teve dependência dos componentes de microeletrônica (o mais importante item que provoca o saldo negativo do setor eletro eletrônico brasileiro) os números divulgados hoje,21, pela Abinee, mostram uma curva bastante preocupante: uma forte desaceleração da fabricação interna, queda nas exportações, e um acentuado aumento de importação de produtos acabados. A importação de smartphones, uma tendência que vinha se observando mês a mês este ano, tem se acentuado sensivelmente.

The bow of a huge container ship Vecchio Bridge at anchored in the roads navio cargueiro container barco mar porto importacao exportacao . Nakhodka Bay. East (Japan) Sea. 02.08.2015

Conforme o resultado da balança comercial publicado hoje, 21, pela Abinee, o déficit da balança comercial do setor, no período de janeiro a outubro, foi 28% menor – US$ 16,43 bilhões – do que nos dez meses de 2015, que registraram US$ 22,82 bilhões. Poderia ser um bom sinal, mas aponta apenas o baixo nível da atividade industrial. As exportações do setor também apresentam queda de 3,6% no acumulado do período, para US$ 4,66 bilhões.

Mas é o segmento de telecomunicações que registrou  comportamento  fora da curva. Enquanto acompanha a queda nas exportações dos demais setores, amplia  as compras externas de produtos acabados. Conforme a entidade, no mês de outubro, as exportações somaram US$ 11,5 milhões, queda de 26,4% em relação a outubro de 2015 ( US$ 15,6  milhões) ou de 15,2% em relação a setembro de 2016 (US$ 13,6 milhões).

Já as importações cresceram. Em outubro, o setor importou US$ 178,1 milhões, contra US$ 169,9 milhões de outubro de 2015 (+ 4,9%) ou US$ 131,2 milhões de setembro de 2016 (+35,8%). Conforme a Abinee,  em relação a setembro, houve um aumento de 380% na importação de celulares, que representaram um total de US$ 69 milhões em compras, dos quais 96% ( US$ 66,5 milhões) foram para a China.

Somente em dezembro de 2014 o Brasil tinha feito uma importação tão grande de telefones celulares, quando adquiriu, também quase tudo da China, US$ 84,3 milhões.

Anterior Telefônica Brasil vai investir menos no próximo triênio
Próximos Operadoras vão investir 0,7% a mais neste ano, no mundo